THE HOBBIT (1982, ZX Spectrum)

Image

E neste mês de dezembro de 2012 finalmente chegou aos cinemas o aguardado The Hobbit – An Unexpected Journey, de Peter Jackson. Trata-se da primeira parte de uma nova trilogia do aclamado diretor da saga O Senhor dos Anéis, dessa vez adaptando para as telonas o livro The Hobbit, lançado em 1937 por Tolkien e hoje considerado um prelúdio para O Senhor dos Anéis.

É razoável supor que toda essa “hobbitmania” atual se estenderá pelos próximos dois anos e que dará origem a uma tonelada de games baseados no filme, dando o ar da graça em tudo o que é aparelho imaginável – consoles domésticos, videogames portáteis, celulares com Android, iOs, etc. Não vai ser a primeira vez que isso acontece: em 2003 ,a Vivendi Universal lançou o esquecível The Hobbit, um game baseado no livro, para Playstation 2, Game Cube, Xbox, Windows e Game Boy Advance.

No entanto, o livro de Tolkien já marcou época na história dos games – e já faz muito tempo que isso aconteceu, na verdade. Foi há trinta anos atrás, no já distante ano de 1982. Pelas mãos da desenvolvedora Beam Software e da publisher Melbourne House, o clássico livro de Tolkien deu origem a um game que marcou época, vendeu como água no deserto, exerceu enorme influência no desenvolvimento de jogos a partir dali e, até hoje, é cultuado por retrogamers do mundo inteiro. O nome do jogo, é claro, era The Hobbit, lançado originalmente para o microcomputador britânico ZX Spectrum e depois adaptado para os micros Commodore 64, Amstrad CPC, BBC Micro, Dragon 32, Oric Atmos, Apple II, TRS-80 PC e MSX.

Image

The Hobbit era um adventure-texto, um gênero de game muito popular no começo dos anos 80. Se você não é familiarizado com a história desse estilo de jogo, clique aqui para ler a nossa matéria especial sobre adventures texto.

Os text adventures, naquela época, eram ótimos para soltar a imaginação e permitiam uma grande amplitude criativa. Representavam uma forma de o jogador usar mais o cérebro do que os dedos e se dedicar a games que demandavam mais raciocínio e estratégia do que reflexos rápidos, fugindo da tradicional ação arcade do tipo “atire sem parar nos alienígenas” e que inundava o mercado de games da época.

Mas, por mais que se aprecie adventures, é preciso reconhecer que os jogos daqueles tempos pecavam por dois defeitos graves: primeiro, o parser (sistema de análise sintática e reconhecimento de palavras) desses antigos jogos era muito limitado, aceitando apenas comandos rápidos e restritos, sem permitir muita abertura para o jogador expressar as ações que queria realizar. Segundo: o uso exclusivo de texto na tela, sem suporte gráfico algum, acabava se convertendo num fator de monotonia e limitação técnica, fazendo os text adventures parecerem extremamente monótonos e desinteressantes.

Mas então, The Hobbit chegou em 1982 ao ZX Spectrum, para virar tudo isso do avesso!

Image

Segundo a programadora Veronika Megler, que desenvolveu o game junto com Philip Mitchell, “Nós jogávamos Scramble e Pac-Man e escrevemos versões destes jogos para outras plataformas. Por isso, tendo criado games baseados em gráficos e jogado as versões originais deles nos arcades, para nós parecia simplesmente errado o fato de que os adventures não tinham gráficos. Nós não víamos eles como uma categoria diferente, então a decisão de incluir gráficos em The Hobbit pareceu natural e razoável“. Já existiam outros adventures com gráficos lançados anteriormente (como Mistery House, de 1980), mas provavelmente nenhum até então tinha um trabalho visual tão interessante e tecnicamente impressionante quanto The Hobbit.

Image

Como você pode perceber, The Hobbit também chama a atenção por ter sido parcialmente criado por uma mulher, e isso lá nos idos de 1982, quando o nicho de programação era praticamente um mundo exclusivamente habitado por homens. Na época, ela estudava na Universidade de Melbourne e trabalhava como operadora de computadores em períodos noturnos. Uma troca de mensagens com Alfred Milgrom, da Melbourne House, fez ela entrar no projeto de desenvolvimento de The Hobbit e garantir o seu lugar na história dos games de computador.

Image

Veronika era uma fã de Colossal Cave, o mítico adventure-texto original que criou esse estilo de jogo. Mas tinha perfeita consciência das limitações do pioneiro game: “Colossal Cave rapidamente se tornava chato. Uma vez que você solucionava o jogo, ele era sempre o mesmo e não havia mais nada de interessante desse ponto em diante“. Ela adotou um conceito diferente ao conceber The Hobbit, motivada a criar o que seria o melhor adventure já feito até então. “Eu coloquei no papel todo o conceito de ter uma rede ou um banco de dados alternável de locações e personagens que jogavam por conta própria, e como isso tudo iria funcionar. Eu desenvolvi o projeto de forma que, ao invés de criar um código prévio para tudo, nós poderíamos substituir o banco de dados dos personagens e dos cenários e terminar com um game diferente nas mãos”, explica. “Era uma questão de adicionar o elemento randômico. Eu tinha a ideia básica de que cada animal seria um personagem e que cada personagem faria algo a cada turno, assim como o jogador tinha. Nós adicionamos um gerador randômico para que, toda vez que o game começasse, cada personagem iniciaria num lugar diferente escolhido aleatoriamente“.

Image

Além dos gráficos e do sistema não linear, The Hobbit inovava também pelo parsec inovador, denominado Inglish por seus programadores. Ao contrário de games anteriores do estilo, que só admitiam frases sempre iguais e curtas como “kill orc“, “get lamp” e coisas do tipo, em The Hobbit o jogador podia digitar comandos sofisticados como “ask Gandalf about the curious map then take sword and kill troll with it“. Ou seja, uma linha de comando do jogador podia conter várias ações e também pronomes e adjetivos.

Image

Em termos de narrativa, The Hobbit se mantém bastante fiel ao livro que lhe serviu de inspiração. “Não lembro de isso ter sido particularmente difícil“, explica Veronika. “Eu era muito familiarizada com o livro e adorava ele, e realmente passei por todo o livro pegando elementos de forma tão direta quanto possível, fazendo pequenas modificações que tornassem mais fácil para o jogador imaginar as passagens do texto dentro do contexto do game. Todos nós conhecíamos The Hobbit e The Lord of the Rings – eu havia lido a série inteira várias vezes já naquela época. Para elaborar o jogo, eu examinei o livro, escolhendo partes e locações chave que eu pudesse transformar em puzzles e interações entre os personagens e o jogador“.

Image

The Hobbit se destacou como um adventure mais graficamente bonito, menos linear, mais flexível no vocabulário e com maior fator de “re-play” do que os jogos do gênero anteriores a ele. Mas isso não significa que ele era livre de problemas. “Fazer a correção de erros no jogo era um pesadelo”, lembra Veronika. “Nossas máquinas de desenvolvimento travavam como resultado de interações e comportamentos de personagens em alguma outra parte do jogo. Você não fazia ideia – simplesmente tinha um erro nas mãos e tinha que imaginar o que tinha acontecido“. A maneira como os personagens se comportavam dava origem, também, a cenários problemáticos: “Você podia terminar numa situação em que o jogo não podia ser completado de forma bem-sucedida. Na medida em que animais e personagens interagiam por conta própria, eles estavam também jogando, e no geral eles não distinguiam o jogador de outros personagens. Era possível que um personagem fosse parar num local com um agressor e que acabasse sendo morto, e se esse personagem fosse necessário para o jogador realizar certas tarefas, você não teria mais como chegar ao final do jogo. Você pode levar várias horas de jogo para descobrir isso“, ri Veronika. “Mas era assim que a coisa funcionava. Eu não fiz nenhuma tentativa de mudar isso, pois eu achava que era algo legal“. Sádica a moça, não?

Image

Toda a qualidade e a inovação de The Hobbit não passaram desapercebidas. O jogo vendeu mais de 100.000 cópias nos seus dois primeiros anos no mercado, ganhou vários prêmios e se tornou presença garantida e permanente em qualquer lista decente de melhores games lançados para o ZX Spectrum em todos os tempos. É frequentemente lembrado como um dos melhores adventures dos anos 80, e é difícil imaginar a evolução do estilo (que anos depois passou pelo sistema Scumm da Lucas Arts, surgido com o famoso Maniac Mansion) sem o marco estabelecido por The Hobbit.

Veronika não recebeu praticamente nenhum feedback sobre o seu trabalho na época em que The Hobbit foi lançado. Hoje, no entanto, ela afirma receber uma contínua corrente de e-mails sobre o jogo, alguns até bizarros: “Um cara recentemente fez contato comigo, e foi muito engraçado. Ele disse que, há 30 anos atrás, ele estava jogando uma cópia do jogo que pertencia a um amigo. Então, no meio do jogo, ele abriu o drive e retirou o disquete enquanto o jogo rodava. O disco acabou corrompido e, quando o amigo dele tentava jogar, a tela exibia uma mensagem de erro e o jogo nunca mais funcionou. Foi apenas recentemente que o sujeito admitiu que havia estragado a cópia do jogo do amigo, e ele estava me contatando para saber se aquela mensagem de erro tinha algum significado em particular ou se nós colocamos ela lá por algum motivo específico. Eu tive que rir. Trinta anos depois, alguém estava me escrevendo para solicitar suporte técnico!”.

De fato, Veronika só chegou a compreender a importância do seu trabalho muitos anos depois, já na era da internet. “Eu comecei a receber cartas de pessoas que tinham me localizado online, me dizendo que o game havia mudado suas vidas e os tornado fãs de adventures, ou que eles tinham aprendido inglês para jogá-lo, ou como o jogo mudou seus interesses, suas personalidades e até seus planos para o futuro! Foi só então que eu descobri que The Hobbit havia sido lançado num monte de línguas diferentes e em diversos países. Na época do lançamento do jogo, eu não tive nenhum sentimento de valor ou de reconhecimento pelo que nós criamos – mas, décadas depois, eu comecei a perceber o impacto que isso teve. Eu acho que o impacto que o meu jogo teve sobre as vidas de outras pessoas foi muito maior do que o impacto que teve sobre a minha própria vida“, diz ela.

(Fonte consultada: revista Retro Gamer, edição nº 101).

SPY HUNTER (1983, Arcades e ZX Spectrum)

Já analisamos anteriormente aqui no Cemetery Games o clássico game CHASE H.Q, de 1989, que colocava o jogador em frenéticas perseguições policiais contra criminosos perigosos e implacáveis, simulando uma espécie de visão em 3D, com profundidade, no melhor estilo Out Run.

No entanto, bem antes disso – mais precisamente no ano de 1983, a Bally Midway lançou nos arcades um precursor do estilo, no velho estilo bidimensional com visão “de cima”. Tratava-se de um jogo bastante inovador, sem paralelos na sua ação frenética, que claramente homenageava os filmes de James Bond. Tratava-se de Spy Hunter, um dos jogos favoritos da minha infância e que o tempo tratou de transformar num clássico.

Em Spy Hunter, o jogador encarna um agente secreto numa perseguição a criminosos ao longo de uma estrada. Para fazer frente aos veículos inimigos, o carro do nosso herói é equipado com metralhadoras. Mas todo cuidado é pouco: a estrada está cheia de motoristas inocentes, que devem ser poupados enquanto o jogador acaba com a raça dos bandidos sem permitir que eles terminem com a viagem do protagonista.

Spy Hunter fez muito sucesso nos arcades, mas eu nunca joguei a versão original na infância ou adolescência e só vim a conhecê-la há alguns anos, em plena era da emulação. Ora, mas alguém então poderia se perguntar por que eu disse que o jogo era um dos meus favoritos quando criança. A resposta é simples: por causa da versão do game para o microcomputador ZX Spectrum.

O Spy Hunter do Spectrum foi o único que eu conheci por muito tempo e, na minha cabeça, Spy Hunter simplesmente era um game do Spectrum. Para minha sorte, tratava-se de uma bela conversão do game do arcade. As versões para Commodore 64 e NES por vezes são apontadas como as melhores, mas o fato é que o Spy Hunter do Spectrum era uma conversão extremamente competente em termos de jogabilidade e diversão, apesar de já não impressionar tanto quanto na época do lançamento nos arcades, já que a versão do Spectrum só foi lançada dois anos depois, em 1985.

O Spy Hunter do Spectrum se destaca pelo scroll fluído e de qualidade, bem como pelos bons gráficos. Claro, nem tudo são flores. Na versão que eu jogava (para o modelo do Spectrum que tinha 48k de RAM, basicamente o modelo standard do micro britânico nos anos 80), a música era completamente ausente, com os efeitos sonoros se resumindo a barulhos de tiros. Além disso, a velocidade do jogo, embora boa, era sensivelmente menos frenética do que no original do arcade.

De longe, o que eu mais gostava em Spy Hunter – e o que continua, para mim, sendo o ponto alto do jogo – era a possibilidade de sair da estrada e continuar em frente numa lancha, combatendo inimigos nas águas ao lado da rodovia. Em diversos momentos, a estrada apresentava bifurcações que levavam o automóvel do jogador até um pequeno porto, a partir da onde o veículo automaticamente se transformava numa lancha, voltando novamente a ser um automóvel quando uma saída do rio para a estrada fosse localizada.

Esse elemento dava uma dinâmica completamente inovadora para o jogo, que subitamente passava de uma corrida de automóveis com tiroteio para uma batalha aquática de lanchas. Em alguns pontos do jogo, essa transição era obrigatória – o jogador era subitamente avisado que a ponte próxima havia sido destruída e, portanto, pegar o acesso lateral e continuar pelo rio era simplesmente a única alternativa existente. Ah, e como são estreitas aquelas sinuosas vias de acesso para o rio! Incontáveis vezes, tanto lá no final dos anos 80 quanto hoje em dia, eu acabei por destruir meu carro nos canteiros laterais antes de conseguir acessar o rio.

Ainda hoje, os momentos em que o herói sai do carro para a lancha e segue rio acima representam, para mim, o ápice da diversão em Spy Hunter. Não posso imaginar uma maneira mais fidedigna de representar, num jogo da geração dos videogames de 8-bits, a ação cinematográfica típica dos filmes de 007.

Surpreendentemente, a ação aquática de Spy Hunter não era um elemento previsto quando do desenvolvimento do game, tendo sido adicionada posteriormente, quando o jogo já estava basicamente pronto. Segundo Brian Colins, uma das quatro pessoas envolvidas na equipe de desenvolvimento de Spy Hunter, “quando o jogo já estava completamente funcional, nós percebemos que seria bastante simples recriar a arte já feita e permitir que o nosso herói lutasse na água assim como em terra. O então recém-contratado animador Steve Ulstad foi responsável pelo desenvolvimento da maioria dos veículos aquáticos“.

Spy Hunter surpreende pela riqueza de elementos (lembre-se, estamos falando de um game de 1983!). Além da arma básica, caminhões aliados eventualmente equipam seu automóvel com mísseis e com óleo, que pode ser derramado na pista para ferrar com os inimigos. E não pense que você enfrentará apenas automóveis, não senhor! Caso você pegue a lancha, encontrará adiante invariavelmente um rio tomado de embarcações hostis. E, para piorar, eventualmente é preciso enfrentar um helicóptero – e haja míssil nessas horas!

Basicamente, o jogo era composto de três veículos “do herói” (o automóvel principal, a lancha e o caminhão que fornecia armas), três veículos de civis inocentes (a motocicleta, uma espécie de Fusca e um outro carro de aspecto comum) e seis veículos “do mal”: o Switch Blade (com garras laterais para furar os pneus do automóvel do herói), o Enforcer (parece uma limousine de mafiosos), o Road Lord (parece um carro-forte), o helicóptero (apelidado de Mad Bomber) e duas variedades diferentes de lanchas inimigas. Para ser sincero, não sei dizer com absoluta certeza se todos estes veículos se encontram presentes na versão do Spectrum, mas acredito que sim.

Como já vimos, além dos facínoras homicidas que querem te transformar em presunto, as estradas estão também repletas de motoristas inocentes. Não pense que você sairá impune caso sacrifique acidentalmente algum deles. O jogador não perde pontos, mas fica sem receber pontos durante um certo período de tempo.  Nas palavras de Brian, “era importante não recompensar o homicídio indiscriminado, por mais que isso pudesse ser divertido“.

Apesar de suas inevitáveis limitações técnicas na comparação com o original dos arcades, para mim não tem discussão: Spy Hunter é para ser jogado no Spectrum e fim de papo! Com nota 89% dada pela então célebre revista britânica Crash (especializada em games de Spectrum) e merecedor da distinção A Crash Smash (que era o “selo de qualidade” da revista), o Spy Hunter do micro britânico sempre foi e sempre será, para mim, a versão definitiva deste clássico oitentista de ação em alta velocidade.

TUTORIAL – COMO EMULAR ZX SPECTRUM

Comentando o meu recente review sobre o game COMMANDO do microcomputador britânico ZX Spectrum, o Gagá (do Gaga Games, um dos melhores sites/blogs brasileiros de retrogaming da atualidade) sugeriu um tutorial sobre emulação do ZX Spectrum. Sugestão anotada e agora realizada: para quem ainda não é familiarizado com a emulação desta que é uma das plataformas mais amadas pelos retrogamers, aqui vai um tutorial bem mastigadinho sobre como se divertir com os games deste célebre microcomputador.

Para começo de conversa, você deve saber que emular games de computador geralmente não é tão fácil quanto emular games de consoles. O motivo é muito simples: nos velhos tempos, fazer os games rodarem nos próprios micros da época também era naturalmente mais complicado do que jogar nos consoles. A partir do formato estabelecido pelo Atari 2600 em 1978, os videogames sempre funcionaram do mesmo jeito: você coloca um cartucho no aparelho (ou, a partir da 5ª geração de consoles, um CD/DVD/Blu-Ray), liga o videogame e o jogo roda automaticamente (ou apenas com um um apertar de botão, como nos consoles atuais).

Double Dragon II – The Revenge (ZX Spectrum)

Os microcomputadores antigos nunca foram tão simples. Seus games vinham gravados em fitas K7 ou em disquetes, e era preciso digitar uma linha de comando na linguagem BASIC residente na memória do computador para fazer o jogo rodar a partir, digamos, do disquete onde estava gravado. Por exemplo: para rodar o game Pacmania do MSX, você colocava o disquete com o jogo no drive do computador e digitava load “pacmania.bas (ou algo parecido). A exceção eram os jogos em cartucho do MSX, que rodavam do mesmo jeito que um videogame (era só colocar o cartucho com o computador desligado, ligar o aparelho e o jogo rodava automaticamente). Mas, mesmo no MSX, os games em disquete ou fita K7 não funcionavam desse jeito barbadinha.

O ZX Spectrum, no entanto, nunca trabalhou com cartuchos. Isso quer dizer que não existem “roms” de games do Spectrum. “ROM” significa Read Only Memory, e era a memória exclusiva para leitura (não permitia gravação posterior de dados) onde eram armazenados os games nos cartuchos. Os games de Spectrum, por sua vez, existiam em formato disco (disk) ou fita (tape). É por isso que os games do micro são encontrados na internet com os mais diferentes formatos de arquivo (extensão), como por exemplo *.TZX, *.TAP e *.DSK.

The Munsters (ZX Spectrum)

A primeira notícia excelente para quem deseja se aventurar nos velhos games do ZX Spectrum é que a maior parte do acervo de jogos do micro foi transferida para o domínio público, sendo legalmente disponibilizada para download no sensacional site World of Spectrum, um verdadeiro templo sagrado para os fãs do antigo micrinho britânico. Mais de DEZ MIL games estão cadastrados no site, que ainda disponibiliza emuladores, utilitários e bases de dados de livros e informações de hardware. Se você quer se familiarizar com esse velho micro, ter o World of Spectrum salvo entre os favoritos no seu browser é algo indispensável.

Infelizmente, alguns poucos games (como é o caso do clássico Atic Atac e da famosa série Dizzy, por exemplo) ainda têm sua distribuição gratuita proibida. Como essas empresas estúpidas optam por proibir a distribuição do game sem dar alternativas legalmente corretas para as pessoas adquirerem esses títulos, a única coisa que resta a fazer, nesses casos, é dar um jeito de conseguir esses games por fontes “piratas” na internet (o que, naturalmente, é a coisa mais fácil do mundo). É uma pena que algumas empresas do setor insistam em atirar os jogadores na pirataria obrigatória, impedindo que as pessoas tenham qualquer acesso oficial (seja gratuito ou pago) a certos games antigos.

Highway Encounter (ZX Spectrum)

A segunda boa notícia é que existem formas bastante simples de emular o ZX Spectrum. De longe, a mais fácil de todas é o site http://www.zxspectrum.net, um emulador online que roda diretamente no seu browser e oferece dezenas e dezenas de games lançados entre 1982 e 1992 (inclusive alguns games “tributo” feitos recentemente por fãs do Spectrum). O emulador é incrivelmente prático e permite jogar os games do micro sem nenhum esforço: é clicar no game desejado e sair jogando! O esquema de teclas geralmente obedece o padrão tradicional do Spectrum (as teclas Q, A, O, P e a barra de espaços), mas alguns games oferecem a opção para que o jogador defina as teclas do jeito que preferir.

Batman –  The Movie (ZX Spectrum)

Claro, nem tudo são flores nesse emulador online. Existem diversos aspectos negativos: ele não roda em tela cheia, não permite salver imagens do jogo, não tem recursos de “save state/load state”, fica limitado aos games oferecidos pelo próprio emulador e só é compatível com jogos do Spectrum que tinha 48k de memória RAM, que era o modelo mais popular do velho micro britânico. No entanto, vários games de Spectrum só rodam no modelo de 128k, e vários games compatíveis com o 48k  só mostram todo o seu conteúdo (trilha sonora, por exemplo) com 128k.

Starquake (ZX Spectrum)

Outra opção de emulador online é o Qaop, no site http://wizard.ae.krakow.pl/~jb/qaop/. Ele roda com tela quase cheia e é tão amigável quanto o zxspectrum.net, mas infelizmente oferece uma quantidade muito pequena de jogos. Pelo menos estão presentes alguns clássicos como Highway Encounter, Manic Miner e Starquake.

É claro que, se você quiser conhecer a biblioteca de games do Spectrum com toda a qualidade possível (save states, podendo escolher o modelo de Spectrum emulado, etc), é necessário baixar um bom emulador e rodar os jogos direto do seu computador. É aí que começam os problemas. Existe uma infinidade de emuladores de Spectrum, que vão do horrível ao bom, mas a maioria deles apresenta um ou mais problemas sérios: uns são incompatíveis com sistemas operacionais mais modernos, outros são instáveis demais, outros não são mais atualizados há muitos anos, outros só rodam este ou aquele tipo de extensão de arquivo e outros são pobres demais em recursos.

Robocop (ZX Spectrum)

Se você é um usuário de PC acima da média e tem paciência, o negócio é experimentar diversos emuladores como Fuse, SpecX, Speccy, EmuZWin, ZX Spin e tantos outros. Talvez algum deles caia no seu gosto. Mas eu adianto a minha opinião: todos eles me decepcionaram de alguma forma, e nunca adotei nenhum como meu emulador preferencial de Spectrum.

Enduro Racer (ZX Spectrum)

Mas não corte os pulsos ainda, todas essas dificuldades têm uma solução simples: o emulador SPECTACULATOR. Disponível no site http://www.spectaculator.com, esse espetacular emulador faz juz ao nome e oferece tudo o que um retrogamer pode querer em termos de emulação de Spectrum: compatibilidade com os mais diferentes formatos de jogos, inúmeras opções de configuração de sons e gráficos, emulação de todos os modelos de Spectrum que já exitiram, recursos de save state/load state, exibição em tela cheia … uma maravilha!


Mas, como pão de pobre sempre cai com a margarina virada para o chão, é ÓBVIO que toda essa tranquilidade não vem de graça: o Spectaculator só pode ser usado gratuitamente por 30 dias, perdendo sua funcionalidade depois desse período. O jeito é comprar a versão paga, que custa salgados 30 dólares (cerca de R$ 50,00). Pagar por um emulador parece algo meio sem fundamento, mas nesse caso é bom lembrar que a vasta maioria dos games de Spectrum pode ser baixada gratuitamente sem nenhum tipo de infração de copyright, tudo legalizado. A meu ver, trata-se de um investimento que vale muito à pena.

Se você quer um emulador “offline” sem pagar pelo Spectaculator, também existem alternativas. A primeira, e mais óbvia, é baixar por aí uma versão “full” pirata do Spectaculator (não estou querendo incentivar ninguém à pirataria, mas é óbvio que a opção existe). Outra opção é recorrer a outros emuladores menos atuais e/ou eficientes.


A minha sugestão, nesse caso, seria o ZX32. Trata-se de um emulador de Spectrum que já foi muito bom, mas que caiu no esquecimento por falta de atualização (faz mais de 10 anos que não é atualizado). Apesar disso, ele tem a vantagem de ter a maioria dos recursos que o Spectaculator tem (save state, full screen, compatibilidade com muitos formatos de jogos, etc), e ainda por cima é 100% gratuito. Para que o emulador rode bem, é necessário alterar as propriedades do programa no Windows para que ele rode em 256 cores (é só clicar no arquivo executável com o botão direito do mouse e clicar em “propriedades”). Você pode baixar o ZX32 aqui: http://www.cryptacet.com/spectrum/zx32103.exe

La Abadia Del Crimen (ZX Spectrum)

Tendo um bom emulador e alguns jogos no seu computador, a execução dos mesmos é relativamente simples, semelhante ao que se vê nos emuladores de videogames como Mega Drive ou Nintendo 8-bits. Num Spectrum de verdade, um jogo em fita K7 precisava de vários minutos para ser carregado no computador, mas os emuladores geralmente abreviam automaticamente esse carregamento lento. Apesar disso, a maioria deles tem a opção de manter o carregamento original, inclusive com as listras coloridas e o barulho das informações da fita K7 sendo processadas – mas só os saudosistas mais doentes do mundo irão querer reviver esse antigo suplício. Os arquivos de games do Spectrum disponibilizados na internet normalmente já vêm configurados para apresentar um carregamento tão automático quanto possível, o que ajuda bastante e evita que o jogador precise se valer de linhas de comando para rodar os jogos.

Sai Combat (ZX Spectrum)

Por último, mas não menos importante, a dúvida para o iniciante é: o que jogar? Numa plataforma que foi agraciada com milhares de games ao longo de mais de 10 anos de vida útil, é preciso ser um pouco seletivo. Para saber o que vale à pena jogar no Spectrum, há uma série de fontes que podem ser consultadas. Uma delas, é claro, é o nosso Cemetery Games, onde até o momento nós já resenhamos uma série de grandes games do Spectrum (como Chase H.Q, Robocop, Commando, Atic Atac, Terra Cresta, Batman – The Movie, Crystal Castles e Astro Marine Corps), alguns meia-boca como Ghostbusters II e também  inevitáveis porcarias como Friday the 13th, Big Trouble in Little China, Out Run, The A-Team e Back to the Future.

Terra Cresta (ZX Spectrum)

Outra fonte confiável é a lista dos 100 melhores games de Spectrum feita pelos visitantes do World of Spectrum. A maior parte do filé do micrinho britânico está nessa lista, que pode ser acessada aqui: http://www.worldofspectrum.org/bestgames.html

Por fim, é impossível não recomendar o ótimo livro “The ZX Spectrum Book – 1982 to 199X“, de Andrew Rollings, que faz uma relação dos 200 melhores jogos do Spectrum. Você pode fazer o download integral do livro neste link: ftp://ftp.worldofspectrum.org/pub/sinclair/books/ZXSpectrumBook-1982To199xThe.pdf 

Saboteur (ZX Spectrum)

Por enquanto era isso, pessoal! Vida longa para o bom e velho ZX Spectrum, e espero que vocês tenham muita diversão com as pérolas eternamente divertidas do saudoso micrinho britânico.

COMMANDO (1985, Arcades e ZX Spectrum)


Em 1985, a Capcom lançou nos arcades Commando, o game que definiria o estilo run ‘n’ gun com perspectiva vertical de forma semelhante ao que Contra fez em relação aos run ‘n’ gun horizontais (side-scrolling). O sucesso do jogo nos arcades o levou a ser convertido para pelo menos uma dezena de plataformas domésticas da época, do já velho Atari 2600 ao popular NES, passando pelos microcomputadores Amiga, MSX, Commodore 64 e Amstrad CPC.


Em sua maioria, essas adaptações para consoles e micros eram sofríveis. Em alguns casos, como no NES, a versão era boa mas não chegava a se destacar em relação a biblioteca de games do sistema. Mas havia uma exceção: o Commando do saudoso microcomputador britânico ZX Spectrum.


Adaptado pela Elite (uma “peso-pesado” da época em desenvolvimento de games para computadores), o Commando do Spectrum se transformou num clássico tão inesquecível quanto o próprio game original dos arcades. Ele é considerado uma das melhores conversões de arcade para Spectrum já feitas, e aparece sistematicamente em qualquer lista decente de melhores games do velho micro britânico de todos os tempos.


Primeiro, vamos falar um pouco do jogo original: lançado no Japão como “Senjou no Ookami“, o jogo foi rebatizado como “Commando” nos Estados Unidos. Certamente não por coincidência, no mesmo ano estava sendo lançado nos cinemas um filme de mesmo nome estrelado por Arnold Schwarzenegger (conhecido aqui no Brasil como “Comando Para Matar“).

O jogo não tem absolutamente nenhuma relação com o filme, mas como ambos possuem a mesma premissa – um veterano de guerra enfrentando sozinho todo um exército de inimigos – é fácil de compreender as razões comerciais para tal associação. Confesso que, durante muito tempo, também achava que Commando era baseado no filme de mesmo nome.

De qualquer forma, a verdade é que nem mesmo querendo a Capcom teria conseguido fazer um game tão fiel ao tiroteio, à atmosfera “Rambo” e à violência do filme homônimo quanto este. Enquanto que as adaptações de filme para game são geralmente decepcionantes, Commando – que não foi feito pra ser adaptação do filme – acaba ironicamente sendo uma “adaptação” das mais perfeitas já vistas na história dos videogames.


Commando coloca o jogador na pele de Super Joe, o típico macho-alfa-veterano-de-guerra-exalador-de-testosterona-invencível dos filmes de ação dos anos 80. Armado com uma metralhadora com munição infinita, a missão desta máquina de matar ambulante é varrer da face da Terra um exército inimigo. Apesar do natural talento do nosso herói para o extermínio de forças armadas hostis, a missão não será um passeio no parque: a meia dúzia de fases do jogo é pontuada por um grau acentuado de dificuldade, com hordas intermináveis de soldados inimigos aparecendo por todos os lados, atacando com tiros, granadas, motocicletas e até tanques.


A versão do Spectrum, é claro, precisou sacrificar algumas coisas para colocar um game de arcade dentro do limitado hardware de 48k de RAM do micro britânico. Os gráficos são significativamente mais simples e o visual dos cenários se tornou quase monocromático, com algumas poucas cores nas telas para caracterizar o protagonista e seus inimigos. Os efeitos sonoros, por sua vez, se resumem aos sons dos tiros.


No entanto, é aqui que acabam as más notícias em relação ao Commando do Spectrum. Talvez mais do que qualquer outra conversão para plataformas domésticas, esta versão conseguiu preservar a ótima jogabilidade, o ritmo frenético e toda a diversão homicida do arcade. Todas as fases foram igualmente preservadas, ao contrário do que aconteceu com algumas outras adaptações. No Spectrum, é claro, o jogo continua difícil até dizer chega – mas é uma dificuldade “justa”, causada por desafios equilibrados e não decorrentes de jogabilidade limitada ou frustrante.


A jogabilidade do Commando do Spectrum impressiona pela fluidez e dinâmica rápida. Mesmo nos dias atuais, passados mais de 25 anos do seu lançamento, o game permanece divertido e jogável sem maiores dificuldades, tendo envelhecido muito bem – ao contrário de muita coisa que foi lançada nos anos 80.


Toda essa qualidade não passou despercebida pela mídia especializada da época, que jogou todo o confete possível no Commando do Spectrum. O game recebeu uma invejável nota 94% na clássica revista Crash, na qual um dos avaliadores fez as seguintes considerações: “Falando como alguém cuja juventude se passou entre os joysticks de games de arcade, esta é a melhor conversão de arcade que o seu Spectrum possivelmente verá. (…) todas as oito áreas foram copiadas com atenção meticulosa. Todas as colinas, árvores, pontes e tudo o mais estão lá – os soldados até mesmo atacam vindos dos mesmos lugares! A tabela de high scores é a mesma do arcade também, com suas letras giratórias e tudo. A jogabilidade é brilhante (…). Se você quer um jogo para o Natal então não procure mais, esse aqui é sensacional!“.


Segundo o review da revista Sinclair User à época, “Difícil o quanto seja, Commando é também poderosamente viciante. Ele tem uma ação rápida e furiosa, bastante excitante, e a dose certa de suspense em ver o quão longe você consegue ir sem perder todas as suas vidas, bem como de satisfação ao atirar em alvos em movimento. Ele apresenta também uma movimentação suave e gráficos vivos e imaginativos.

Curiosamente, embora Commando sempre tenha sido considerado um dos melhores games do Spectrum, eu nunca cheguei a conhecê-lo na infância. O motivo não podia ser mais banal: meu tio, que tinha um microcomputador nacional compatível com o padrão Spectrum (o TK-95 da Microdigital), tinha Commando gravado numa fita K7. No entanto, o jogo apresentava problemas de “loading” e nunca funcionou. De qualquer forma, eu acho que naquela época a elevada dificuldade do jogo teria me afastado dele. Mas posso estar enganado, afinal de contas o Terra Cresta do Spectrum é ainda mais difícil e eu sempre adorei aquele jogo!


É claro que, no final das contas, o Commando original do arcade é um jogo tecnicamente superior e igualmente uma ótima pedida mesmo para os padrões atuais. Mas eu ainda acho que o Commando do Spectrum é uma experiência retrogamer mais divertida. Os fãs do lendário microcomputador britânico certamente concordarão comigo.

Uma última curiosidade: Commando ganhou uma sequência muito legal nos arcades em 1990, chamada Mercs, que ganhou versões para Mega Drive e Master System. Mas isso é história para uma próxima oportunidade …