BACK TO THE EIGHTIES – As últimas notícias gamers de fevereiro … de 1987!

Screen-Shot-2018-08-30-at-13.43.04

De forma emocionante, as primeiras fotos do novo computador doméstico Amiga 500 da Commodore chegaram à imprensa de computação. A Commodore esperava que sua nova máquina assumisse o poder dos sistemas 520ST da Atari, estabelecidos no Reino Unido e nos EUA. A empresa antecipou o lançamento do Amiga nos EUA em abril, com o Reino Unido logo após. Para a frustração dos consumidores do Reino Unido, eles foram prejudicados com o preço fixado em 599 libras esterlinas, enquanto os americanos pagaram US$ 599 pela mesma configuração.

A empresa de software barato, Mastertronic, tinha comunicados de imprensa voando como confetes. O primeiro dos três comunicados à imprensa revelou que a empresa deveria entrar no mercado de software de 16 bits com seu novo rótulo, 16-Blitz. O primeiro jogo disponível seria Ninja Mission, que seria lançado no Atari ST e PC por meras 9,95 libras.

Os tentáculos da Mastertronic começaram a se estender para além das costas britânicas com a criação da Arcadia Systems. Esta subdivisão da companhia estaria sediada nos EUA e se concentraria no desenvolvimento de novos jogos para arcades.

Infelizmente, os tempos de desenvolvimento para os poucos jogos que estavam sendo trabalhados tornaram-se tão prolongados que essa operação cara quase colocou toda a
empresa fora do negócio. A Arcadia foi rapidamente descartada sem que nada de especial fosse produzido.

Para completar o trio digno de nota, o melhor foi deixado para o final. Melbourne House, famosa por jogos como The Hobbit e Horace, foi comprada através de sua holding, a Beam Software, por um valor reportado de 1 milhão de libras, embora se pensasse que o valor real estivesse mais próximo da metade dessa soma.

A Mastertronic estava interessada em entrar no mercado de software com preços completos e, em vez de criar seu próprio novo rótulo, buscou a idéia de comprar um nome conhecido existente. A Beam Software estava enfrentando problemas financeiros naquela época e, assim, foi fechado um acordo que beneficiou ambas as partes.

O nome da Melbourne House permaneceu intacto com novos títulos iminentes, como Throne Of Fire e Judge Dredd. O último resultou em uma porcaria de jogo para o C64 e o Spectrum.

btte1

A CRL anunciou que seu mais novo jogo seria como o antigo jogo de taco, bola e parede Breakout. É verdade que tal anúncio não chegava a ser algo para balançar as calças de excitação. No entanto, Ballbreaker seria isométrico e apresentaria mísseis e monstros. Tinha boa jogabilidade e visual bonito, mas a medição do efeito 3D e do ponto onde a bola estava em relação ao seu taco não foram coisas tão bem executadas quanto poderiam ter sido, tornando Ballbreaker abertamente frustrante. Ele estreou no CPC da Amstrad, com uma versão Spectrum a seguir mais tarde.

A Ocean Software orgulhosamente divulgou seu atual trabalho em andamento, uma conversão do clássico jogo de arcade Mario Bros. O original não foi muito empolgante, mas a Ocean achou que havia espaço no mercado para outro jogo de plataforma. Eles estavam tristemente enganados. Era tão monótono e sem vida quanto um cocô seco de vaca. Além disso, a Atari havia convertido o mesmo título três anos antes, também no C64, e era graficamente superior e notavelmente mais jogável que a versão da Ocean, fazendo com que esta “novidade” parecesse ainda mais desprezível.

A Gremlin Graphics, enquanto desenvolvia Gauntlet e, mais tarde, seu Deeper Dungeons para a US Gold, encontrou tempo para produzir algumas ofertas muito palatáveis ​​para seu próprio rótulo. Bounder, um conto de bolas saltitantes que levavam à frustração do tipo atirar-o-joystick-lone, estava recebendo o tratamento de sequela. Re-Bounder – essencialmente mais do mesmo, exceto que sua bola agora está blindada e empacotando calor – acabou sendo lançado no C64 e bem recebido, com a conversão do Spectrum desaparecendo estranhamente no éter para nunca mais ser vista. Que pena.

Houve melhores notícias para os jogadores do Spectrum com a sequela de Thing On A Spring quase pronta para ser lançada. Apesar de que C64, CPC, Spectrum e MSX estavam recebendo versões do novo Thing Bounces Back, foi na verdade o primeiro lançamento do “Thing” nos dois últimos sistemas. Mais uma vez, o jogo foi muito bem recebido por todos.

Concluindo o trio triunfante de Gremlin, Jack The Nipper II: In Coconut Capers, apresentando as façanhas de retorno do “filho-bebê-fofo” do Wally Week (protagonista do celebrado Pyjamarama, de 1984). A Gremlin mais uma vez realizou sua magia e produziu uma aventura arcade bastante decente.

hqdefaultJack the Nipper II: In Coconut Capers (ZX Spectrum)

A Computer & Video Games colocou o Contact Sam Cruise (Microsphere, Spectrum) como um dos seus dois Jogos do Mês, sendo o outro a compilação de jogos gêmeos de Uridium e Paradroid (Hewson, C64).

O status C&VG Hit foi concedido a mais uma dúzia: Fairlight II (The Edge, Spectrum), Skate Rock (Bubble Bus, C64), Paperboy (Elite, C64), Championship Wrestling (US Gold/ Epyx, C64), Five Star Games (Beau Jolly, Spectrum, C64 e Amstrad), Impossaball (Hewson, Spectrum), Katrap (Streetwise, Spectrum), Boulderdash Construction Kit (Databyte, C64), Destroyer (US Gold/ Epyx, C64), Terra Cresta (Imagine, C64), Erebus (Virgin, C64) e Myorem (Robico Software, BBC B).

btte2

Embora os jogadores de Commodore 64 tivessem de passar sem um jogo padrão  Medalha de Ouro neste mês, houve muitos aclamados pela Zzap! 64 em fevereiro de 1987. Os beneficiários da premiação da publicação foram Gauntlet (US Gold), Silicon Dreams (Level 9/Rainbird), Moonmist (Infocom/Activision), Dragon’s Lair II: Escape From Singe’s Castle (Software Projects), Park Patrol (Firebird) e They Stole a Million (39 Step/Ariolasoft).

A revista Amstrad da Newsfield tinha seus “Amtix Accolades” enfileirados para premiar Gauntlet (US Gold), Into The Eagles Nest (Pandora), Starglider (Rainbird), The Sacred Armor of Antiriad (Palace Software), Mercenary (Novagen) e também The Pawn (Rainbird / Magnetic Scrolls) para jogadores da plataforma PCW8256 (todos os três que existiam no mundo…).

Into the Eagles Nest (Amstrad CPC)Into the Eagles Nest (Amstrad CPC)

Com o Gauntlet original subindo alto nas paradas, clones do jogo eram o sabor do momento entre os desenvolvedores de games. Em fevereiro de 1987, a revista Amstrad Computer User comparou vários títulos no “estilo Gauntlet”, incluindo Storm (da Mastertronic), Druid (da Firebird) e Dandy (da Electric Dreams) para ver se havia alguma coisa melhor do que Gauntlet no mercado. Não havia.

Gauntlet_C64 Gauntlet (Commodore 64)

 

O QUE ESTAVA NAS PARADAS EM FEVEREIRO DE 1987

MÚSICAS
1) “I Knew You Were Waiting (For Me)” – Aretha Franklin & George Michael
2) “Heartache” – Pepsi & Shirlie
3) “Down to Earth” – Curiosity Killed the Cat
4) “Almaz” – Randy Crawford
5) “It Doesn’t Have to be That Way” – The Blow Monkeys

GAMES DE ZX SPECTRUM

1) Oli & Lissa
2) Paperboy
3) Uridium
4) Trivial Persuit
5) Infiltrator

Uridium_ZXSpectrumUridium (ZX Spectrum)

(Artigo publicado originalmente na revista britânica Retro Gamer, nº 63, em abril de 2009).

OUT RUN 2019 (1993, Mega Drive)

OR2019_02

O ano de 2019 chega ao fim, e nada melhor do que comemorar com um game das antigas ambientado no “futuro” que agora é passado.

Como todo gamer das antigas já está cansado de saber, Out Run foi um dos jogos de corrida mais revolucionários e aclamados dos anos 1980. Lançado em 1986 pela Sega nos arcades, o game ganhou versões para praticamente tudo o que era máquina de rodar jogos da época.

1 Eatldnc8yWOZcNvfnVqw7Q

Há vários anos, analisamos aqui no Cemetery Games o Out Run original e, num outro post, também as várias conversões do jogo para consoles e microcomputadores.

Como seria de se esperar, depois do sucesso do jogo original, Out Run ganhou várias continuações nos anos seguintes. Nos arcades, apareceram Turbo Out Run (1989) e Outrunners (1992). Nas plataformas domésticas, a franquia continuou com Out Run 3-D (1989), Battle Out Run (1989) e Out Run Europa (1991). Já nos anos 2000, a série ressurgiu com Out Run 2 (2003) e Out Run 2006: Coast 2 Coast (2006). Alguns destes jogos são interessantes, outros são bem legais e outros são medíocres. De qualquer forma, persiste o fato de que nenhum deles conseguiu marcar lugar na história da mesma maneira como o clássico original de 1986.

Porém, é digno de nota que o último suspiro da franquia original (antes da “ressurreição” nos anos 2000) tenha apostado numa fórmula bem diferente do conceito inicial de Out Run. Enquanto o primeiro game de 1986 apostava num clima de praia, sol, linda paisagens naturais e direção aventureira, o capítulo final de Out Run nos anos 90 apostava suas fichas numa corrida de veículos high-tech turbinados. Tudo isso ambientado 26 anos no futuro, no “distante” e “longínquo” ano de … 2019! O resultado dessa piração, é claro, é OutRun 2019.

OR2019_13

A bem da verdade, OutRun 2019 não foi originalmente concebido como um jogo da série. Ele nasceu como um projeto para o Sega-CD e seu nome, inicialmente, seria Cyber Road. Quando foi decidido que o jogo seria lançado para Mega Drive ao invés do Sega-CD, o título foi alterado para Junker’s High. Em algum ponto, sabe Deus por que, os desenvolvedores resolveram atrelar o game à franquia Out Run (o fato de que a distribuidora do game era a Sega, a criadora da franquia Out Run, certamente ajudou).

OR2019_08

Logo de cara, a primeira impressão diante de OutRun 2019 é de que o jogo não tem nada a ver com o clássico original. Na verdade, quando você começa a jogá-lo, ele parece mais uma mistura de F-Zero com Top Gear – seja na ambientação, na estética, na trilha sonora ou na atmosfera do jogo.

OR2019_04

Mas calma lá: os pontos de contato com o Out Run clássico estão por todo o jogo. Primeiro, nas diversas bifurcações ao longo das estradas, que permitem ao jogador escolher diferentes trajetos e explorar cenários diversos. Segundo, na grande variedade de ambientes e locações que vão surgindo ao longo das corridas. O jogo começa com uma ambientação futurista urbana, mas logo você estará pilotando em alta velocidade pelas mais diferentes paisagens naturais. Apesar de Out Run 2019 ter uma jogabilidade e atmosfera bem diferentes do clássico original, a mecânica do jogo guarda muitas semelhanças.

OR2019_03

O jogo conta com quatro fases, que evoluem num nível crescente de dificuldade. Cada fase possui cinco rotas diferentes, com duas bifurcações ao longo da estrada em cada fase. Como cada rota introduz um cenário diferente, temos um total de vinte locações distintas ao longo do jogo – o que garante uma boa variedade de backgrounds ao longo das corridas e torna a experiência visualmente interessante.

OR2019_07

A qualidade gráfica dos cenários varia bastante também: alguns são discretos e sem graça, enquanto outros são realmente muito bonitos e evocam a magia dos cenários do clássico Out Run original. Tudo isso é complementado por uma série de pontes, túneis, subidas, descidas e pequenas rampas de impulso que farão o seu carro literalmente voar na estrada.

OR2019_11

Para ajudar você a chegar vivo (e a tempo!) ao final de cada percurso, seu carro conta com uma turbina traseira que parece saída diretamente de uma aeronave. O turbo é ativado automaticamente quando o veículo atinge altas velocidades. Graças a essa turbina, é possível atingir velocidades absurdas e atravessar a estrada como um raio. No entanto, como já seria de se esperar, o turbo torna o veículo muito mais difícil de controlar na hora de desviar de outros carros, fazer curvas ou evitar uma queda de cima de uma ponte ou viaduto.

OR2019_10

Para quem quiser experimentar Out Run 2019, recomendo a utilização de um bom emulador de Mega Drive. Mas, para quem estiver com pressa ou em busca de uma experiência mais rápida e facilitada, é possível jogar o game diretamente no seu navegador pelo seguinte link disponibilizado pelo Internet Archive: https://archive.org/details/sg_Out_Run_2019_1993_Sega_Sims_US (utilize as setas cursoras do teclado para mover o veículo, a tecla “Alt” esquerda para acelerar e “Tab” para entrar nas configurações do emulador online).

Out Run 2019 está longe de ser um clássico dos games de corrida, mas é legal e merece uma boa conferida – sobretudo por conta das músicas. A jogabilidade é um pouco “dura” e limitada, mas basta um pouco de prática para acostumar o jogador à mecânica do game. Por ter sido lançado já no fim da vida comercial do Mega Drive, o jogo não fez muito barulho e, tecnicamente, era um título sem maiores atrativos para os padrões do ano de 1993. Se tivesse sido lançado três ou quatro anos antes, poderia ter conquistado uma significativa legião de fãs e deixado boas memórias nos jogadores de Mega Drive da época.

O ano de 2019 chegou e passou – mas Out Run 2019 continua à disposição dos retrogamers com a sua concepção de um futuro em altíssima velocidade. É o futuro sendo retratado em gráficos e sons de 16 bits. Como resistir?

OR2019_12

Revista de retrogaming Jogos 80 disponibiliza sua nova edição de Natal

Saiu a edição de Natal da revista JOGOS 80!

O novo número (nº 22) da publicação dedicada ao retrogaming traz: curiosidades sobre o clássico console Atari 2600; coberturas de eventos recentes bem legais, como a 5ª Retro SC, o 13º Encontro do Clube TK e a 7ª edição do encontro MSX Ribeirão Preto; um guia de estratégias para jogos do gênero shot’em up; uma matéria especial sobre o console Intellivision e entrevistas com Thomas Jentzsch, Ademir Carchano e Victor Ruiz.

A edição traz, ainda, análises de novos games lançados para plataformas antigas (com destaque para o belíssimo Nixy and the Seeds of Doom, que saiu recentemente para o clássico micro britânico oitentista ZX Spectrum).

A nova edição da Jogos 80 pode ser obtida gratuitamente, em formato digital, no site oficial da publicação:

http://www.jogos80.com.br

Jogos80

 

ESCOLHA O SEU “MINI GAME”!

Konami: Gradius - Nemesis

Você lembra dos populares “mini games” dos anos 80 e 90? Contei um pouco sobre a história deles aqui no Cemetery Games, anos atrás, quando falei do meu “mini game” favorito da infância: o Golden Axe da linha de “handhelds” da Tiger, lançado aqui no Brasil pela Tec Toy. Você pode conferir aquele velho post clicando aqui.

a41904fc77cb436c66e37fe6a7abbd76

Pois bem, a novidade é que agora o site Internet Archive está disponibilizando vários destes antigos “mini games” para emulação online e gratuita. A lista de títulos disponíveis até o momento inclui principalmente aparelhos da Tiger e da Konami, incluindo versões “mini game” de GRADIUS, CONTRA, DOUBLE DRIBBLE, HOOK, BLADES OF STEEL, BUCK O’HARE, THE ADVENTURES OF BAYOU BILLY, KARNOV, SPACE HARRIER II, BATMAN FOREVER, GAUNTLET, BACK TO THE FUTURE, ROBOCOP 2, ROBOCOP 3, BATMAN, PAC-MAN, MS. PAC-MAN, FROGGER, TRON, MORTAL KOMBAT, DOUBLE DRAGON, SONIC THE HEDGEHOG, ALTERED BEAST e … sim, GOLDEN AXE!!! 😀

Golden Axe

O endereço é: https://archive.org/details/handheldhistory. Não é preciso baixar nenhum tipo de emulador ou jogos: a emulação roda direto no browser no seu computador. Divirta-se!

Se você quiser aprofundar seu mergulho no charme simplório e criativo destas maquininhas jurássicas, outra ótima opção é o site www.pica-pic.com. Nele, você pode se divertir com mais algumas dezenas de “mini games” dos anos 80 e 90, incluindo algumas pérolas da célebre coleção Game and Watch da Nintendo (cujos títulos eram considerados um artigo de luxo aqui no Brasil naquela época) como DONKEY KONG, ZELDA (com duas telas, antecipando em muitos anos o futuro visual do console Nintendo DS – um arraso! 😀 ) e DONKEY KONG JR.

Zelda

Para mim, o maior tesouro deste site é a surpreendente e inesperada inclusão de um jogo absolutamente obscuro e desconhecido, que foi o primeiro “mini game” que ganhei na infância: o PIRATE (também conhecido como “Pirate 777“), fabricado em Taiwan por alguma empresa qualquer. Passei muitas horas na infância brincando com este joguinho do “piratinha”, e é simplesmente mágico poder jogar ele de novo, agora, com uma emulação absolutamente perfeita e fiel (ainda tenho o aparelho original, mas ele não funciona mais).

Pirate

Se tudo isso ainda não for o suficiente para aplacar a sua sede por estes antigos joguinhos de tela LCD, ainda existem mais alguns títulos que podem ser emulados através da mais recente versão do popular emulador de arcades M.A.M.E. Entre os “mini games” suportados pelo M.A.M.E, está um dos meus favoritos da infância: THE ADDAMS FAMILY, da série de aparelhos da Tiger Electronics, também lançado por aqui na clássica “Série Master” da Tec Toy. O único problema é que a emulação dos “mini games” no M.A.M.E requer não apenas as “roms” de cada aparelho (o que é fácil de conseguir) como ainda as telas de fundo de cada jogo. Caso contrário, a emulação se dá sem o fundo colorido de cada game. Ainda não consegui fazer este procedimento funcionar a contento, então atualizarei vocês assim que eu tiver sucesso em configurar adequadamente o M.A.M.E para emular estas velhas maquininhas.

51PyoDShCwL