SPACE CAVERN (1982, Atari 2600)

Quando eu era criança, ali por volta de 1991, fui na locadora pegar algum jogo para o glorioso Atari que eu tinha em casa e escolhi esse Space Cavern, que tinha essa capa legal aí embaixo, com um astronauta atirando num bicho sinistro saído de uma caverna em outro planeta.

Space Cavern

Na época, não gostei muito do joguinho. Acho que ele não me entreteu por mais do que uns dez ou quinze minutos. É compreensível. Naquela época, o Atari já era bem velhinho e eu estava mais interessado em games com “início, meio e fim”. Space Cavern, por sua vez, é o típico game de Atari, no qual a única coisa que o jogador pode fazer é tentar marcar mais e mais pontos, já que a mecânica do jogo é sempre a mesma, numa tela única.

Space Cavern 01

Hoje, percebo que fui um pouco injusto com Space Cavern. O jogo é um excelente “arcade game” para a época. É simples pra caramba, pois a moral é basicamente atirar em tudo o que se mexe até perder todas as vidas. Mas alguns dos melhores jogos daquela época, como Space Invaders e Galaga, funcionavam exatamente assim.

Dá pra dizer que Space Cavern é basicamente um shot’em up, nos moldes do clássico Space Invaders. O jogador controla um astronauta dentro de uma caverna em outro planeta, e uma série de monstruosidades alienígenas chamadas Electrosauri ficam surgindo na parte superior da tela, atacando o protagonista com disparos de energia. Só que, além de matar esses cretinos, o pobre astronauta é também atacado por rápidas criaturas que eventualmente singram a tela na horizontal. Em outras palavras, Space Cavern é um shot’em up com ataques na vertical e na horizontal.

O game foi lançado pela Apollo em 1982. Trata-se da mesma empresa que lançou Lost Luggage (também para o Atari), um joguinho que eu curto, no qual o jogador precisa recuperar suas bagagens num aeroporto caótico. No entanto, o título mais bem sucedido da empresa para o Atari 2600 foi Spacechase, também de 1982, e que igualmente é um shot’em up. É um bom joguinho, mas entre os dois eu ainda prefiro Space Cavern.

O jogo pode ser simples, mas a história que o manual apresentava era uma coisa simplesmente rocambolesca! Veja só: “Você está no comando de um cruzado estelar intergaláctico Mark XIV em um quadrante não mapeado do espaço sideral. Você aterrisa em um misterioso planeta atravessado por um labirinto subterrâneo de túneis e cavernas, habitadas pelos selvagens Electrosauri, cujas antenas geram cargas eletromoleculares capazes de desintegrar você e sua tripulação. Sua pistola de fótons é ativada pressionando o botão de tiro do joystick. Os olhos iridescentes dos Electrosauri iluminam as paredes das cavernas com assustadores flashes enquanto eles perseguem você, com suas antenas piscando e ressonando. Se uma única descarga de energia eletromolecular atingir você, seu esqueleto irá brilhar dentro do seu corpo enquanto os componentes biomoleculares de seu organismo são desintegrados“.

Bem, o que dizer sobre isso senão … UAU!!!

Space Cavern 02

Você teria coragem de ser acertado pelos alienígenas depois desse TERROR todo que foi descrito no manual?

Space Cavern 03

Quando você mata um dos monstros, ele vira um fantasminha parecido com o Wilson, aquele amigo imaginário do Tom Hanks no filme do náufrago, lembra?

Wilson_The_Volleyball

Ah, sério, vai dizer que não são parecidos?!?

Space Cavern 04

Olha que MIMO esse bichão cheio de dentes que tenta pegar você de surpresa pelas laterais. Para atirar no sentido horizontal, o negócio não é no botão de tiro, mas sim no direcional pra cima (atirar para a esquerda) e direcional para baixo (atirar para direita). É isso aí mesmo, um shot’em up em que é preciso atirar para os lados também! Quer moleza?!?

Anúncios

BLACK BELT (1986, Master System)

Frequentemente citado como um dos melhores e mais memoráveis games do Master System, Black Belt foi um sucesso também aqui no Brasil, onde sempre esteve na lista dos jogos preferidos entre os fãs do Master.

Blackbelt01

Não deixa de ser um fato interessante, na medida em que Black Belt foi lançado no ano seguinte ao lançamento do Master System no Japão e no mesmo ano da estréia do console nos EUA. Ou seja, trata-se de um título da “leva inicial” do Master, o que torna ainda mais impressionante a qualidade geral do game, que não chegou a ser superado por nenhum outro jogo do estilo lançado para o Master nos anos posteriores.

A TRAMA

O jogador assume o papel de Riki, um jovem mestre em artes marciais. Kyoko, a namorada do cara, foi raptada por uma gangue de lutadores, e Riki precisará derrotar todos eles para resgatá-la, passando por cinco fases diferentes, todas repletas de guerreiros da gangue inimiga, e tendo que encarar os seis grandes “chefões”: Ryu, Hawk, Gonta, Oni, Rita e Wang.

Blackbelt06

O FATOR HOKUTO NO KEN

Black Belt possui uma trilha sonora variada e exuberante para os padrões dos consoles de 8-bits, gráficos ótimos, fases legais, lutas memoráveis com chefões e uma jogabilidade que se sustenta bem até hoje. Então não existe pessoa no mundo que não goste desse jogo, né? Bem, existe sim: os fãs de HOKUTO NO KEN.

Explico: Hokuto no Ken é um mangá (que depois virou também anime) muito popular no Japão, e que conta a história de um mestre em artes marciais chamado Kenshiro, que combate inimigos num mundo pós-apocalíptico. Já caiu a ficha, né? Pois é, Black Belt é uma “localização” ocidental do game Hokuto no Ken, baseado nesse mangá. Os personagens e a maior parte dos cenários foram alterados para criarem uma história nova, sem vinculação com o mangá.

Hokuto
Mas por que a Sega fez isso? É fácil de entender. Hoje, fãs de animes e mangás no mundo todo podem conhecer as últimas novidades que saem no Japão através da internet, sem qualquer esforço. Porém, nos anos 80, ninguém nos EUA conhecia Hokuto no Ken (no Brasil, nem se fala …) e mangás só eram moda no Japão. Foi só depois de vários anos que Hokuto no Ken chegou ao ocidente, rebatizado de Fist of the North Star.

Assim, é compreensível que a Sega tenha optado por aproveitar o bom game que tinha em mãos, mas desvinculando-o dos personagens nipônicos que os ocidentais desconheciam e dando ao jogo uma cara de “filme de ação dos anos 80”, com personagens e um roteiro que parecem saídos de algum filme da época estrelado pelo Jean Claude Van Damme. O resultado foi uma das melhores “localizações” já vistas até hoje nos videogames, uma vez que criou um novo game que se sustentava por suas próprias qualidades e que acabou ficando muito legal.

ÉPOCA PRESENTE OU FUTURO PÓS-APOCALÍPTICO?

O game original Hokuto no Ken se passava num futuro pós-guerra nuclear. Mesmo quem não era familiarizado com o mangá podia perceber isso apenas olhando os prédios semidestruídos no horizonte da primeira fase do jogo.

Mas e Black Belt? O jogo se passa no presente ou também num futuro distópico? Aparentemente, no presente. Os cenários urbanos que aparecem na segunda e na quinta fase parecem contemporâneos, sem nenhum sinal de catástrofes ou guerras. Mas, para confundir bem a coisa toda, a parte traseira da caixinha nacional do jogo, feita pela Tec Toy, afirmava que o jogo se passava num futuro pós-guerra. Já o excelente site americano Hardcore Gaming 101 atesta que o jogo se passa no presente – o que ainda me parece a idéia mais lógica.

UM BEAT’ EM UP CLÁSSICO

Sempre tive uma adoração especial por Black Belt em virtude do fato de ele ser o primeiro game de Master System que me recordo de ter conhecido. O ano era entre 1988 e 1990, e nessa época eu tinha um Atari e já achava grande coisa. Quando vi esse jogo, meu queixo foi ao chão. Só faltei babar. Gráficos limpos e definidos, musiquinhas caprichadas, violência comendo solta (com os inimigos EXPLODINDO ao serem golpeados), lutas com chefões enormes, etc. Era tudo o que uma criança poderia querer!

Mas chega de babação de ovo, porque está na hora de destrinchar Black Belt …

Blackbelt02

Riki começa sua aventura em um cenário interiorano em algum lugar da Ásia, enfrentando hordas desses carecas barrigudos sem camisa. O legal é que esses “soldados rasos” do jogo simplesmente EXPLODEM em pedaços quando derrotados, deixando o jogo dinâmico e violento.

Blackbelt03Além dos “soldadinhos rasos” e dos chefões de fase, Riki enfrenta também diferentes “subchefes” em cada fase. O primeiro deles é esse otário de cabelo loiro e comprido, que fica atirando umas porcarias no herói.

Blackbelt04

O segundo subchefe é esse babaca vestido de Pequeno Príncipe, que fica atacando com esse bastão.

Blackbelt05

Mais um subchefe. Agora é um maníaco querendo esfaquear o protagonista. Pau nele!!!

Blackbelt07

Haja paciência para MAIS UM subchefe nessa primeira fase! A bola da vez é literalmente uma bola: um gordo estroncho querendo cagar Riki a pau.

Blackbelt08

Riki finalmente chega ao confronto com Ryu, o primeiro chefão do jogo. Repare em como os personagens e cenários ficam enormes e detalhados nesta parte do game. Esse imbecil que se veste de roxo é relativamente difícil de derrotar (considerando que é o primeiro chefe e deveria ser o mais fácil). O golpe que tira energia dele é o soco, e é preciso pegar a “manha” de quando atacar e quando se afastar dos ataques do adversário.

Blackbelt09

Ao derrotar o inimigo, aparece esse palavrão em japonês no meio da tela, e Riki começa a socar o inimigo cada vez mais rápido, arrebentando-lhe as fuças. Considerando que o jogo foi especialmente adaptado para o público ocidental, não custaria terem colocado o texto acima em INGLÊS, não acham?

Blackbelt11

Na segunda fase, a ação rola numa zona portuária, com uma grande cidade ao fundo.  Os carecas barrigudos dão lugar a esses fortões de cara pintada, calças coladas e … o que é isso que eles estão usando? Botas de couro? Ou uns enfeites na perna. Hmmmmmm ….

Blackbelt12

O chefão dessa fase é Hawk, um babaca de calças verdes que atira faquinhas. Matar o cara é coxinha, é só chegar perto dele e chutá-lo na cara sem dó. Possivelmente é o chefe mais fácil do jogo.

Blackbelt13

E olha o palavrão em japonês ali de novo!

Blackbelt14

Na terceira fase a ação se desloca novamente para um cenário interiorano/rural. Esses chatos de quimono vermelho são os inimigos “padrão” nesta fase.

Blackbelt15

Aqui é hora de encarar um subchefe, que parece o maluco das facas da primeira fase.

Blackbelt16O chefão da terceira fase é GONTA, um dos personagens mais memoráveis do jogo. Lembro que, antigamente, costumava considerá-lo como um chefão difícil de vencer. Na verdade, só o que você precisa para matar esse gordo com facilidade é ter a manha de usar a voadora na hora certa.

Blackbelt18

Prepare-se para enfrentar os ninja mais fracotes que o mundo já viu. Essa quarta fase tem como “soldados rasos” esses ninjinha fajutos, que só servem para apanhar.

Blackbelt19

Esse afrescalhado com chicote, que parece um domador de leões desempregado, é o subchefe desta fase.

Blackbelt20

Mais um subchefe: agora são dois gordos que parecem tuaregues ou figurantes do Lawrence da Arábia.

Blackbelt21

É aqui que o jogo começa a ficar difícil: esse ONI é um pé no saco de vencer! O negócio é ficar bem no canto esquerdo da tela, acertando-lhe um chute sempre que ele vier para cima de você. O cara sempre acerta um golpe em Riki fazendo isso, mas se você fizer a coisa direitinho o inimigo vai morrer antes.

Blackbelt22

O legal é que, ao morrer, Oni desaparece deixando apenas o seu gorrinho no chão. Tchauzinho, BABACA!!!

Blackbelt23

Essa fase é meio ordinária porque recicla, na maior cara de pau, o cenário da segunda fase. Só o que muda é a hora do dia, já que aparentemente está anoitecendo. Outra coisa que não dá pra deixar de comentar são os inimigos dessa fase, que são uns negões aparentemente usando batom e blusas brancas. Pelo jeito, Riki foi parar num bairro gay!

Blackbelt24Se você tinha alguma dúvida de que tinha caído num bairro gay, dá uma olhada nisso: dois caras de cabelo loiro comprido, óculos escuros e calças rosas querendo fritar Riki com lança-chamas! Da onde esses caras saíram, de um videoclip do POISON?!?

Blackbelt25Essa aí é a Rita, e matar essa desgraçada é um inferno! Adivinha só: não existe um golpe único que tire energia dela. Riki precisa acertar golpes sequenciados na inimiga, ou seja, um chute, depois um soco, depois um soco agachado e depois uma rasteira – não necessariamente nessa ordem. Se você não acertar a safada com o golpe certo, ele não tira energia nenhuma da vilã. Que saco, hein? E mais uma coisa: quem é aquele otário que aparece no quadro ao fundo e nos bustos laterais? O cara parece um narcotraficante sul-americano. E o pior é que o jogo nem se preocupa em esclarecer esse mistério. Será que é o maridão da Rita?

Blackbelt26

Como se não bastasse ter que acertar sempre diferentes golpes para tirar energia de Rita, tem mais essa: o último golpe nela precisa ser necessariamente um soco quando ela ataca com a voadora. MORRE, infeliz!!!

Blackbelt27

Enfim chegamos até Wang, o último chefão. Esse trouxa com cara de mongo é osso duro de roer. O negócio é cair de voadoras em cima dele, mas ele perde energia muito devagar. O que mais irrita, no entanto, é a detecção de colisão “roubada” nessa luta. Riki pode visivelmente acertar golpes em Wang sem que eles sejam contabilizados como golpes certeiros. Já Wang acerta Riki só de passar perto do herói. Haja saco pra matar esse cretino.

Blackbelt28

Derrotado, Wang cambaleia um pouco …

Blackbelt29

… e então morre de pé, com o braço pra cima. Inexplicável, né? Na verdade, isso acontece porque os programadores de Black Belt foram vagabundos e não se deram ao trabalho de mudar isso, que acontece no Hokuto no Ken original porque o último chefão se transforma em PEDRA quando derrotado. Em Black Belt, ficou simplesmente sem sentido.

Blackbelt30

Riki finalmente encontra sua namorada …

Blackbelt31

…  e sai carregando a moça nos braços.

Blackbelt32

O jogo termina dizendo que Riki trouxe paz ao mundo temporariamente. Paz AO MUNDO?!? Só porque salvou sua namorada de uma gangue de retardados? Parece que aqui os programadores de Black Belt também esqueceram de não misturar o jogo com o original Hokuto no Ken. E a tela final já convida o jogador a começar o game de novo. Estimulante, não? Bom, é isso, THE END!