(MAIS) 13 RETROGAMERS PARA CURTIR O HALLOWEEN (Parte 2)

E viva o Halloween, caros amigos do Cemetery Games!

Conforme prometido, segue a segunda parte da nossa lista especial do Halloween 2021!

9) PRISONER OF ICE (1995, PC)

Mais H.P. Lovecraft nos games? Pode apostar que sim! Este aqui é um adventure “point and click” que eu joguei até o final ali pela virada do milênio.

Na trama, que se passa durante a Segunda Guerra Mundial, o jogador encarna um oficial da marinha chamado Ryan, que está a bordo de um submarino chamado HMS Victoria. De passagem pela Antártica, a tripulação do submarino resgata um norueguês que acabou de fugir de uma base secreta nazista localizada no meio do gelo. Junto com o fugitivo, a tripulação resgata duas grandes e misteriosas caixas provenientes da base nazista no local, e é aí que os problemas começam.

Prisoner of Ice é uma continuação direta do game Shadow of the Comet, lançado pela Infogrames em 1993. O jogo não fez tanto barulho e não foi tão ostensivamente bem recebido quanto Shadow of the Comet, mas possui uma mecânica muito semelhante e é obrigatório para fãs de antigos adventures de horror. O trabalho de “voice acting” é o ponto fraco do jogo (especialmente na versão dublada em português, que foi a que eu joguei na época), mas a arte e a trama fazem a experiência valer a pena.

Você pode adquirir Prisoner of Ice no site Good Old Games, numa versão pronta para rodar em PCs contemporâneos, por apenas R$ 11,99.

10) DARKWATCH (2005, PLAYSTATION 2)

Parece esquisito falar de “retrogaming” fazendo menção a um jogo do outrora todo-poderoso Playstation 2, mas o fato é que o lendário console da Sony foi lançado há mais de vinte anos e seus jogos já são antigos o suficiente para que possamos considerá-los como games retrô. E, já que a ideia é falar de games de horror da sexta geração de consoles, Darkwatch é uma ótima pedida.

O jogo anda meio esquecido hoje em dia, mas é uma ótima mistura de first person shooter com temática de western misturado com filme de terror. O jogador encarna um pistoleiro fora da lei chamado Jericho Cross, que faz parte de uma misteriosa ordem de caçadores de criaturas sobrenaturais chamada Darkwatch.

O jogo se passa no Velho Oeste, no final do século XIX, e a missão de Jericho é basicamente encher de balas qualquer coisa saída da sepultura que insista em continuar se mexendo. Apesar da boa recepção na época do lançamento, Darkwatch lamentavelmente acabou não ganhando nenhuma continuação.

O jogo foi lançado também para o Xbox.

11) SILENT HILL 3 (2003, PLAYSTATION 2)

A série Silent Hill é um dos marcos da história dos games de horror. Na minha humilde opinião, Silent Hill 3 representou o ápice da franquia. Não é por nada que esse foi o único game da série que eu joguei incansavelmente até o final, assim que comprei meu Playstation 2 em 2005.

Com gráficos fantásticos para a época e uma atmosfera horripilante de pesadelo e surrealismo, Silent Hill 3 permanece sendo um dos jogos de terror mais incríveis de todos os tempos. Se você duvida que um jogo de Playstation 2 ainda seja capaz de ser assustador depois de tantos anos, experimente Silent Hill 3. Você não vai se arrepender!

Se você não tem um velho Playstation 2 guardado em algum lugar da sua casa, não tem problema: você pode jogar Silent Hill 3 na versão para PCs ou por meio da Silent Hill HD Collection, lançada em 2012 para Playstation 3 e para Xbox 360.

12) ALONE IN THE DARK (1992, PC)

Ouvi falar de Alone in the Dark pela primeira vez em algum ponto de 1993 ou 1994, por meio de uma matéria da edição nº1 da revista Computer Games, da Sigla Editora. Um tempo depois, tive a oportunidade jogá-lo em um PC 386 que meus pais tinham acabado de comprar.

O jogo foi lançado em 1992 pela Infogrames (a mesma desenvolvedora dos adventures “Shadow of the Comet” e “Prisoner of Ice” – comprovando que o pessoal da Infogrames era fã de carteirinha do celebrado escritor H.P. Lovecraft) e pode ser considerado o pioneiro moderno do estilo “survival horror”, tendo servido de influência direta para o hit Resident Evil, lançado poucos anos depois. Os gráficos poligonais eram sensacionais para a época e antecipavam o futuro próximo dos videogames, que se estabeleceria por meio do sucesso de novos consoles como Playstation e Nintendo 64.

A trama se passa nos anos 1920, na sinistra mansão Derceto – cujo dono se suicidou, deixando a propriedade de herança para sua sobrinha Emily. A mocinha contrata o detetive Edward Carnby para ajudá-la a explorar o lugar. Você pode escolher entre jogar com Edward ou Emily, e a missão é derrotar as forças malignas que controlam a misteriosa mansão. Alone in the Dark é mais um game profundamente influenciado pelas obras de H.P. Lovecraft, cujos trabalhos dão o tom da trama e da atmosfera do jogo.

Você pode jogar esse clássico dos games de horror em PCs modernos, comprando ele no site Good Old Games por míseros R$ 11,99 – e ele ainda vem acompanhado das continuações Alone in the Dark 2 e Alone in the Dark 3 (que também são boas, mas sem a mesma originalidade e impacto). É recomendável ficar de olho nas promoções do site. Por exemplo: neste momento, durante o período de Halloween, o jogo está em promoção por inacreditáveis R$ 2,99. Está esperando o quê, seu morto-vivo?!?

13) ALONE IN THE DARK – THE NEW NIGHTMARE (2001, PSONE, PC, DREAMCAST)

As duas primeiras continuações de Alone in the Dark eram interessantes, mas pecavam pela falta de originalidade e pelo visual muito próximo ao jogo original. Depois disso, a franquia foi tristemente arruinada pelos péssimos jogos lançados em 2008 (com o mesmo nome do jogo original de 1993) e em 2015 (o lamentável Alone in the Dark: Illumination).

No meio desta longa lista de frustrações, a série Alone in the Dark brilhou com força, uma vez mais, no ano de 2001 – por meio do lançamento do excelente Alone in the Dark: The New Nightmare.

O game é uma espécie de “reimaginação” do game original de 1992, reapresentando o personagem Edward Carnby, mas numa ambientação completamente diferente. Desta vez, o jogo se passa em 31 de outubro de 2001 (em pleno Halloween!) e a trama é ambientada numa misteriosa ilha chamada Shadow Island.

Instigante e com gráficos ótimos para a época, The New Nightmare representou um retorno triunfante aos dias de glória da série Alone in the Dark. Devo admitir que este jogo me proporcionou alguns dos sustos mais intensos que já tive com qualquer game de horror na vida adulta. Joguei este game sem parar no meu PsOne, entre 2003 e 2004, até chegar ao final. Por isso, embora as versões para Dreamcast e PC apresentassem gráficos com resolução bem superior, a versão do Playstation é a minha favorita. Uma versão do game para o Playstation 2 foi lançada mais tarde, mas apenas para o mercado europeu.

Você pode adquirir a versão PC de The New Nightmare no site Good Old Games por apenas R$ 13,99 (R$ 3,39 durante a promoção de Halloween) e se divertir com o último grande jogo da franquia Alone in the Dark.

(MAIS) 13 RETROGAMES PARA CURTIR O HALLOWEEN (Parte 1)

E já é Halloween de novo, pessoal! Assim como no ano passado, estamos aqui novamente para celebrar a data mais assustadora e divertida do ano. Como em 2020, o Cemetery Games apresenta uma lista com 13 ótimas sugestões de retrogaming de horror para curtir este período mal-assombrado do calendário! Como no ano passado, a lista não está em nenhuma ordem específica. Confira … se tiver coragem!

A parte 2 da nossa lista será publicada amanhã, na noite do Halloween!

Feliz RETROWEEN!

1) DECAP ATTACK (1991, Mega Drive)

Um dos mais memoráveis games com temática de horror do Mega Drive, Decap Attack está celebrando 30 anos de seu lançamento. Desenvolvido pela Vic Tokai, o jogo traz como protagonista o simpático Chuck D. Head, uma múmia sem cabeça com um bizarro rosto no meio da barriga.

O herói foi criado pelo cientista maluco Frank N. Stein e a missão de Chuck é salvar o seu mundo (um arquipélogo de ilhas que formam a imagem de um esqueleto) das garras do terrível demônio Max D. Cap. e suas hordas de monstros. O vilão separou as ilhas em pedaços e cabe a Chuck devolver seu mundo à normalidade. Em vários momentos do jogo, o herói coleta crânios que podem ser usados como arma de arremessso nos inimigos.

Com gráficos bonitos e boa jogabilidade, Decap Attack é ação-plataforma de 16-bits no seu melhor, com uma estética de horror cômico perfeita para comemorar o Halloween.

Se você não tiver acesso a um Mega Drive de verdade e ao cartucho físico, não tem problema, pois não faltam alternativas. Decap Attack está incluído na coletânea Sonic Ultimate Genesis Collection (Playstation 3, Xbox 360) e também pode ser atualmente adquirido para PC na plataforma Steam por míseros R$ 2,19 (é isso aí mesmo, dois reais e dezenove centavos). Agora você não tem mais desculpa para não experimentar esse ótimo exemplar de game de horror da geração 16-bits.

2) THE 7th GUEST (1993, PC)

Possivelmente o game de horror mais assustador e visualmente impressionante de sua época, The 7th Guest foi um marco da transição dos videogames dos bons e velhos cartuchos para o então inovador formato CD-ROM – que, com toda razão, era apontado naqueles tempos como o futuro dos games. Na época, o jogo foi chamado por Bill Gates de “o novo padrão em entretenimento interativo”. Numa época em que a maior parte das pessoas que tinham um PC em casa ainda não tinham drives de CD-ROM em suas máquinas, The 7th Guest serviu como um sedutor chamariz que levou muita gente a se render às possibilidades cinemáticas dessa nova mídia.

Na trama, o jogador encarna um visitante (não identificado no início da história) que vaga pelo interior da sinistríssima Mansão Stauf, solucionando uma série de puzzles macabros e mórbidos e testemunhando flashbacks espectrais de eventos terríveis que aconteceram naquele local no passado.

Obviamente, depois de quase 30 anos, The 7th Guest não é mais nem de perto tão impressionante e assustador como era em 1993. Mas apague todas as luzes de sua casa, jogue o game por quinze ou vinte minutos e você perceberá que ele ainda funciona como um filme de horror interativo bastante eficiente – além de ser um marco da história dos jogos de computador.

Outra boa notícia: você não vai precisar correr atrás de um velho PC 486 DX/4 100Mhz com 8 megas de RAM e Windows 95 e um drive de CD-ROM 4x para poder desfrutar deste velho clássico. The 7th Guest está disponível, em versão atualizada para PCs contemporâneos, na plataforma Good Old Games – e em sua versão comemorativa de aniversário de 25 anos, com jogabilidade aperfeiçoada e outras melhorias pontuais. Tudo isso custando atualmente o precinho camarada de apenas R$ 20,69. Não perca!

3) FRANKENSTEIN’S MONSTER (1983, Atari 2600)

Ótimo game de horror do bom e velho Atari VCS, hoje conhecido como Atari 2600. Aqui, o jogador encarna o Dr. Frankenstein, dentro de um castelo de três andares. O terrível monstro criado pelo cientista está exposto a raios e prestes a ganhar vida, e para impedir que o monstro sai destruindo tudo e todos, nosso intrépido doutor precisa “emparedar” o monstro com cubos encontrados no andar mais baixo do castelo. Nessa corrida contra o tempo, o Dr. Frankenstein precisa passar por aranhas gigantes, fantasmas e morcegos, além de atravessar um lago subterrâneo sem cair nele. Se o arrependido cientista não for rápido o suficiente, o monstro sairá andando descontroladamente em direção à tela (num efeito de primeira pessoa bem legal para os padrões da época), e tudo estará perdido.

Conheci Frankenstein’s Monster por volta de 1991 (no cartucho que eu tinha, o nome do jogo aparecia apenas como “Frankenstein“), e desde logo adorei o jogo. É basicamente um game de ação/aventura com temática de terror, extremamente bem feito para os padrões do Atari. Os gráficos são eficientes, a ambientação é legal e aquela coisa do monstro vir na direção do jogador após o “game over” era algo sem igual no Atari.

A mecânica do jogo é bem repetitiva e a parte dos morcegos (na qual o Dr. Frankenstein precisa passar em meio a centenas de morcegos para chegar até o monstro com a peça que buscou) é um verdadeiro pé no saco. Mas, tirando esses aspectos negativos pontuais, o game é muito bom, indispensável para qualquer fã do velho Atari.

4) HALLOWEEN HARRY (1993, PC)

Lançado pela Apogee para PCs (sistema operacional DOS) em 1993 originalmente como Halloween Harry, o game saiu em outubro daquele ano – portanto, às vésperas do Halloween. No entanto, posteriormente a Apogee ficou preocupada com a possibilidade de que o jogo perdesse seu apelo após a data e que fosse visto apenas como um joguinho “temático” de Halloween, o que potencialmente poderia reduzir o apelo comercial do game durante todo o resto do ano. Por isso, já no ano seguinte, Halloween Harry foi relançado como Alien Carnage.

Halloween Harry/Alien Carnage é um jogo de plataforma side-scrolling no qual o protagonista, Halloween Harry, combate alienígenas que invadiram a Terra e que estão transformando as pessoas em zumbis. O principal objetivo é resgatar as pessoas que os aliens capturaram. Para ajudar na missão, Harry conta com diversas armas diferentes (incluindo um lança-chamas) e um jetpack que permite que o herói alcance plataformas mais altas.

Você lembra do clássico H.E.R.O do Atari? Imagine um H.E.R.O com gráficos bem melhores, armas mais legais e inimigos mais terroríficos e você estará chegando perto de Halloween Harry/Alien Carnage.

Conheci este jogo ali por 1994 ou 1995, na versão que ainda era chamada de Halloween Harry, e gostei muito dele. Desconfio que o que eu tinha naquela época era uma versão “shareware” que só continha a primeira das quatros missões. Ainda assim, a experiência era bem legal.

Claro, o jogo está longe de ser perfeito: a mecânica do jogo acaba sendo um pouco repetitiva depois de um tempo, a jogabilidade é um pouco “dura” e o perfil progressivamente mais “labiríntico” das fases é um desafio para a paciência do jogador. Mas o visual cartunesco, a ambientação divertida e a boa trilha sonora falam mais alto.

O melhor de tudo é que o jogo foi adaptado para rodar em Windows nos PC contemporâneos, sendo que essa versão encontra-se oficialmente disponível DE GRAÇA no site da produtora 3D Realms, sucessora da Apogee. Esta versão roda por meio do emulador DosBox, mas não se preocupe: tudo já vem previamente configurado e pronto para jogar, não sendo necessária nenhuma intimidade com o emulador. Você pode obter sua cópia gratuita de Halloween Harry/Alien Carnage no seguinte link:
https://3drealms.com/catalog/alien-carnage_48/

5) HAUNTED HOUSE (1988, MSX)

Haunted House foi lançado pela Eurosoft para o padrão de computadores MSX (sempre lembrando que o meu primeiro computador foi um MSX Expert da Gradiente em 1992, daí o meu carinho eterno por essa pltaforma). A tela de abertura exibe a face nariguda do protagonista Joe Kowalksi e informa o jogador de que esta se trata da primeira aventura do personagem. Quem é Joe Kowalski? Aparentemente, ninguém sabe e ninguém se importa.

O que importa mesmo é que Haunted House é um dos melhores games de horror do MSX, apresentando gráficos bem trabalhados, uma ótima ambientação, efeitos sonoros interessantes e muita competência na criação de um clima de apreensão. De forma inteligente e criativa, o jogo utiliza os batimentos cardíacos do protagonista como forma de criar tensão para o jogador. Se Joe se aproximar demais de monstros ou fantasmas, os batimentos se aceleram – e se a aceleração for excessiva, nosso herói “bate as botas”.

A missão de Joe é desbravar a casa mal-assombrada do título em busca de sua namorada (sabe Deus como a garota foi parar nesse lugar dos infernos!). Em sua travessia macabra, Joe precisará demonstrar algumas habilidades atléticas de pulo, para evitar quedas potencialmente fatais. Precisará também manter prudente distância de fantasmas, monstros e armadilhas variadas, bem como solucionar alguns puzzles que permitirão que ele siga avançando pelo interior da assustadora casa.

Haunted House tem uma jogabilidade limitada e por vezes até mesmo frustrante, mas o visual, atmosfera e ambientação tornam o jogo simplesmente irresistível para os fãs de games antigos de horror.

Uma curiosidade: o baixinho narigudo Joe Kowalksi protagonizou outros três games lançados pela Eurosoft para o MSX. São eles: Pharao’s Revenge, Vortex Raider e Blow Up. Todas as quatro aventuras do personagem foram lançadas no mesmo ano de 1988. É digno de nota que a própria Eurosoft tirava sarro do misterioso e cartunesco personagem, colocando uma imagem dele acompanhada da frase “quem é esse cara?” na tela de abertura do jogo Vortex Raider.

6) 3D MONSTER MAZE (1982, ZX 81)

Um “survival horror” lançado 15 anos de o termo ser popularizado no vocabulário gamer, 3D Monster Maze foi lançado em 1982 para o microcomputador ZX81 da Sinclair. O micrinho foi o antecessor do hoje célebre padrão ZX Spectrum, e era uma maquininha extremamente limitada em termos de recursos audiovisuais.

A maioria dos games do ZX81 perdia de dez a zero para os jogos do Atari 2600 em termos de gráficos e sons, mas o programador Malcolm Evans conseguiu realizar uma espécie de milagre técnico com 3D Monster Maze. O resultado é um game no qual o jogador caminha com visão em primeira pessoa por um labirinto, enquanto tenta escapar da perseguição de um T-Rex que está a solta no local. É isso aí mesmo, você é perseguido por um dinossauro em um labirinto!

O ponto de partida pode parecer surreal demais para capturar a imaginação do jogador, mas a verdade é que 3D Monster Maze consegue a façanha de criar um clima genuíno de tensão, já que o tiranossauro é rápido e pode aparecer do nada a qualquer momento com a sua bocarra gigantesca. Talvez este jogo seja o pioneiro da história dos videogames em termos de “jump scares” (ou, em bom português coloquial, “cagaços”!).

Inovador e ousado, 3D MONSTER MAZE é frequentemente apontado como o melhor game do ZX81 de todos os tempos (embora eu, particularmente, ainda defenda que essa distinção cabe ao mítico Em Busca dos Tesouros, game nacional de 1986 criado pelo brasileiro Tadeu Curinga). E sim: depois de quase 40 anos, a tensão de não saber aonde está o T-Rex ainda é a mesma – e as aparições súbitas do monstrão ainda assustam!

7) LASER GHOST (1990, ARCADES)

Laser Ghost é um jogo de tiro em primeira pessoa que a Sega lançou nos arcades em 1990, no qual o jogador é um caça-fantasmas que percorre a cidade detonando monstros e assombrações para resgatar uma garotinha que foi raptada pelas criaturas do além.

Eu adorava esse jogo quando era criança (afinal, eu era fã de carteirinha dos filmes e desenho animado dos Caça-Fantasmas!). Depois que o jogo foi desaparecendo dos arcades ao longo dos anos 1990, passei muito tempo sem jogá-lo novamente – até que, em 2006, encontrei a rom do jogo na internet e matei a saudade de Laser Ghost por meio do emulador MAME. O emulador permite o uso do mouse como sendo a pistola do arcade, o que deixa a jogabilidade ótima.

Claro: há um elemento de frustração em Laser Ghost, que é a curtíssima duração do game. Na infância, isso não era problema para mim, pois joguei ele umas poucas vezes e nem lembro se chegava a passar da primeira fase. Além disso, obviamente eu não tinha grana pra ficar torrando muitas fichas na máquina. No emulador, sem esse problema, descobri que o jogo é constituído de apenas seis fases, todas bem curtas. Resultado: virei o jogo em quinze minutos! Ainda assim, é um ótimo entretenimento retrogamer – ainda que breve – para curtir o clima do Halloween!

Ah, não confunda este game dos arcades com o jogo de mesmo nome lançado em 1991 para o Master System. A temática é semelhante, mas são dois jogos completamente diferentes.

8) THE LURKING HORROR (1987, PC)

Baseado nas obras do celebrado escritor de horror H.P. Lovecraft, The Lurking Horror é um adventure-texto lançado em 1987 pela Infocom para PCs (sistema operacional MS-DOS), e também com versões para Apple II, Atari ST, Commodore 64 e para a família de microcomputadores de 8-bits da Atari. Na trama, o jogador encarna um estudante universitário às voltas com a tarefa de concluir um artigo. Para isso, o protagonista encara uma nevasca para acessar o laboratório de informática do campus e concluir o trabalho. O que começa como uma busca por recuperar o arquivo do trabalho acadêmico do protagonista acaba levando a uma série de revelações sobre áreas de estudos mais bizarras e misteriosas, desenvolvidas nos bastidores da universidade.

Que fique claro: The Lurking Horror não é para qualquer um. Se você nunca jogou adventures que são 100% texto e não viveu na época em que este tipo de game era popular, você provavelmente não vai se acertar com esse tipo de jogabilidade – e talvez nem ver qualquer graça em um jogo cuja mecânica basicamente em nada difere de um livro interativo. Mas, se você já tem alguma experiência com text-adventures e gosta da magia retrô desse velho estilo de jogos, então The Lurking Horror é uma excelente recomendação – especialmente para quem é chegado em games de horror.

À época do lançamento do jogo, a Computer Gaming World afirmou, sobre ele, que “Stephen King não teria feito melhor”. A revista de videogames Next Generation, em 1996, classificou The Lurking Horror como o 24º melhor game da história, chamando ele de “o melhor adventure de todos os tempos”. Segundo a revista, “não apenas os puzzles são geniais, mas a escrita é fantástica – uma combinação brilhante do realismo de Stephen King com os horrores inomináveis e sufocantes de H.P. Lovecraft”. A mesma publicação, em 1999, colocou o jogo novamente na sua lista dos 50 melhores games de todos os tempos, destacando que “jogadores letrados que não tenham medo de seus teclados irão encontrar um mundo fantástico dentro deste jogo de adventure de puro texto”. Além disso, em 2004, o portal GameSpy classificou The Lurking Horror como o 10º jogo mais assustador de todos os tempos.

Ficou interessado? Então saiba que você pode jogar The Lurking Horror de graça, rodando no próprio navegador do seu computador, por cortesia do maravilhoso site Internet Archive – que incluiu o game no seu acervo. Apague as luzes, clique no link abaixo e se prepare para mergulhar no mundo do horror lovecraftiano de forma extremamente retrogamer!

https://archive.org/details/msdos_Lurking_Horror_The_1987

KING’S VALLEY (1985, MSX)

Em setembro de 1992, no meu aniversário de 11 anos, ganhei um computador Expert da Gradiente – compatível com o padrão MSX 1 internacional. Minha felicidade não podia ser descrita em palavras. Naquela época, eu já “namorava” o padrão MSX há algum tempo. Embora o MSX não tenha feito sucesso significativo no mercado norte-americano, em alguns lugares (como Brasil e Japão) o MSX foi simplesmente O computador pessoal definitivo dos anos 80. O laboratório de informática da minha escola era dominado por máquinas compatíveis com o padrão MSX (mais especificamente, por outro clone nacional famoso da época – o HotBit da Sharp), e ter um MSX em casa para chamar de meu era um verdadeiro sonho naqueles tempos. Eu sei que, para os padrões de 1992, o MSX (ainda mais o modelo 1) já se tratava de uma máquina relativamente obsoleta e sem condições de competir com concorrentes mais poderosos e modernos como o Amiga da Commodore e, principalmente, com o padrão IBM-PC – que já começava a se tornar progressivamente dominante. No entanto, nada disso atrapalhou os meus anos de amor pelo meu primeiro computador pessoal.

O MSX Expert da Gradiente era mil vezes mais bonito do que o seu concorrente direto, o HotBit da Sharp. Pronto, falei!

O acesso ao MSX me permitiu ingressar no mundo da programação em Basic (e também em Logo, um pouco), bem como o acesso a alguns programas e utilitários interessantes. No entanto, o que mais marcou para mim, naturalmente, foi a vasta biblioteca de games da plataforma. Eu já era fã de games de ZX Spectrum há alguns anos, por conta de um tio que tinha um clone nacional do Spectrum (o TK-95 da Microdigital). O MSX era repleto de conversões de jogos de Spectrum (frequentemente mais lentas que as originais, mas na época eu não dava a menor bola para isso), mas contava com uma grande quantidade de títulos exclusivos e que faziam melhor uso das capacidades gráficas e sonoras da máquina. Muitas empresas lançavam games para o padrão MSX na segunda metade dos anos 1980, mas havia uma companhia em especial que era a rainha absoluta da plataforma, pela quantidade (e sobretudo qualidade) de seus jogos: a Konami.

Hoje famosa, a desenvolvedora tem uma história cujo início se confunde em parte com a própria história do padrão MSX. Franquias famosas de games da Konami, como Metal Gear, tiveram seu início no MSX. Outras, como Castlevania e Nemesis (também conhecida como Gradius) tiveram jogos lançados exclusivamente para a plataforma.

Por tudo isso, não é se admirar quando alguém fala sobre algum ótimo game da Konami para MSX. A lista é longa. Hoje vamos falar de um que eu conheci nos meus tempos de MSX no começo dos anos 90 e que permanece sendo, depois de décadas, um dos meus favoritos absolutos da plataforma: King’s Valley.

King’s Valley é um jogo que mistura plataforma com um certo espírito de puzzle. Na pele de um aventureiro arqueólogo (uma espécie de pequeno Indiana Jones estilizado), o jogador precisa coletar joias escondidas em antigas tumbas egípcias ao longo de 15 pirâmides espalhadas pelo Vale dos Reis. Parece fácil? O problema é que cada tumba é vigiada por múmias assassinas incansáveis, que não dão descanso para o intrépido explorador.

Para ajudá-lo em sua missão, nosso herói conta com poucos recursos. Espadas encontradas nas tumbas ajudam a “matar” as múmias. No entanto, trata-se um alívio temporário, pois elas voltam à vida e reaparecem em questão de segundos. Ferramentas de escavação ajudam o aventureiro a chegar até as joias mais escondidas e enterradas. E … bem, era isso. Isso é tudo o que você terá à disposição para localizar todas as joias ao longo de 15 pirâmides e escapar com vida da fúria vingativa das coloridas múmias.

Oh, mummy!

Com “apenas” 15 fases, King’s Valley pode parecer um jogo “fácil”. Não é. Jamais cheguei ao final dele na época em que tive um MSX. Hoje em dia, jogando com emuladores e podendo se valer de recursos de “save state”, a tarefa se torna relativamente tranquila e o jogo pode ser concluído em questão de poucas horas de insistência. No entanto, quem jogava o game na máquina original era obrigado a vencer as 15 fases corridas, de uma só vez, sem qualquer recurso de save ou password, contando com apenas um pequeno punhado de vidas. Não era bolinho!

O visual e a música de King’s Valley tornam o jogo instantaneamente adorável e contribuem muito para torná-lo viciante, e a mecânica simples contribui para isso. Mas, se você quiser jogá-lo a sério, prepare-se para certa dose de choro e ranger de dentes. Um movimento em falso e você ficará preso entre paredes, tendo que sacrificar uma vida (apertando F2 no teclado). Uma escavação mal calculada e você perderá à toa uma ferramenta, ficando sem ter como chegar em todas as jóias da fase. Tudo isso em meio ao assédio interminável das múmias imortais, obstinadas em frustrar o seu avanço. Ah, e quando você pegar todas as joias e ver a porta de saída sendo revelada, tome cuidado para não confundi-la com a porta (idêntica) pela qual você entrou na fase. Caso contrário, você retornará ao nível anterior. É isso aí mesmo, a vida não é fácil. Achou que era barbadinha bancar o Indiana Jones?

Nosso destemido aventureiro!

Além da versão original, King’s Valley também ganhou uma versão posterior para MSX (lançada exclusivamente em disquetes) que continha nada menos do que 60 (!) fases e vinha acompanhada de um editor de níveis. Embora eu lembre que a versão que eu tinha do jogo vinha em disquete, não me recordo se era a versão original ou a expandida. De qualquer forma, como eu nunca cheguei nem ao fim das 15 fases originais, o adicional realmente não traria grande vantagem para mim.

Em termos de mecânica, temática e estética, King’s Valley apresenta algumas semelhanças com Tutankham, um jogo que a Konami lançou para arcades em 1982. King´s Valley também possui aparente inspiração no game Lode Runner, de 1983, um clássico dos anos 80. De qualquer forma, apesar do mérito destes precursores, para mim não há nem comparação possível: King’s Valley não apenas é muito mais divertido como conta com gráficos e sons muito superiores aos títulos assemelhados que o antecederam.

Trinta e seis anos depois de seu lançamento, King’s Valley continua sendo um game divertido, inesquecível (principalmente para os “MSX maníacos” que ainda celebram a plataforma) e até mesmo influente. La-Mulana e Spelunky (cada um com uma ótima sequência já lançada) são exemplos de jogos “indie” recentes, que fizeram muito sucesso e que claramente têm King’s Valley entre suas fontes de inspiração.

La-Mulana (2012)

King’s Valley foi lançado em 1998 para o Playstation 1, como parte da coletânea Konami Antiques MSX Collection Volume 3. Saiu também para o Sega Saturn, mais ou menos na mesma época, em outra coletânea chamada Ultra Pack. Alguns anos depois, ganhou uma versão mobile para celulares. Mais importante do que isso, no entanto, é a sequência King’s Valley II, lançada em 1988 pela Konami – mais uma vez, exclusivamente para MSX. Mas isso já é assunto para um próximo review aqui no Cemetery Games!

BATTLETOADS (NES, 1991)

Para começar o nosso Projeto 1991 aqui no Cemetery Games, escolhemos um clássico beat’em up protagonizado por animais mutantes antropomorfizados, verdes, descolados e radicais, mestres em detonar malfeitores na base da porrada!

TARTARUGAS NINJA?!?!

Não: Battletoads!

Ok, vamos ser sinceros aqui. Ninguém discute que a premissa de colocar sapos humanóides parrudões num game estilo briga-de-rua representou uma óbvia tentativa da desenvolvedora Rare de capitalizar em cima do enorme sucesso do fenômeno cultural das Tartarugas Ninja na época. No final dos anos 1980 e começo dos 1990, o quarteto comedor de pizza dominava o imaginário popular infanto-juvenil e brilhava em filmes, videogames, quadrinhos e desenhos animados. Se tartarugas podem ser “cool” e boas de briga, por que sapos também não poderiam?

E, já que é para pensar fora da caixa, por que não colocar esse sapos no espaço para lutar contra uma malévola vilã tirânica que aspira ser uma déspota galáctica? Acrescente aí uma nave sequestrada, uma princesa em perigo e está feito o roteiro de uma perfeita aventura videogâmica infanto-juvenil do começo dos anos 90!

Muito já foi dito e escrito sobre Battletoads ao longo dos últimos 30 anos, mas eu quero aqui compartilhar com o leitor um pouco sobre a minha experiência pessoal com o jogo. Conheci Battletoads em algum ponto de 1992 ou 1993. Eu tinha uns 11 ou 12 anos e um dos meus melhores amigos daqueles tempos havia recentemente ganho um Dynavision III. Aqui entre nós, eu sempre considerei o Dynavision III como um dos melhores clones de Nintendo 8-bits (NES) fabricados em solo nacional, seja pelo visual elegante, seja pela compatibilidade nativa com cartuchos em formato americano e japonês. Admito que os joysticks em formato “torre” eram anacrônicos e fora dos padrões estabelecidos pela Nintendo na época, mas até isso acabava sendo um diferencial e um “charme” para o clone nacional da saudosa Dynacom.

Então, em um certo fim de semana que reservamos para jogatina, meu amigo alugou um game chamado “Battletoads”. Nós não sabíamos o que esperar. Vale lembrar que naquela época o máximo de informação que podíamos ter era por conta de alguma matéria esparsa numa revista de videogames. A popularização da internet ainda estava distante no futuro, e as locadoras de videogames ainda representavam a melhor forma de conhecer novos títulos.

Bem, nós começamos a jogar Battletoads e gostamos do jogo logo de cara. Nada mais natural: o que havia para não gostar? A música era irada e nervosa, os gráficos eram legais e os protagonistas eram uns sapões marombeiros prontos para descer a porrada nos inimigos. O jogo misturava a fórmula de “briga de rua” com uma boa dose de humor. Quando você acertava uma sequência de golpes nos inimigos, o seu personagem finalizava o adversário com uma super porrada que era ilustrada na tela por meio de uma mão ou pé gigante, arremessando o inimigo para fora da tela de forma hilária. O que mais um pré-adolescente poderia querer em 1991?

Embora o jogo já começasse legal desde os primeiros instantes, outra boa surpresa que ele reservava era a variedade na jogabilidade. Logo no final da primeira fase, o jogador já enfrentava um robô gigante numa luta vista em primeira pessoa, pela visão do inimigo – mais ou menos como o primeiro ataque do Destruidor no clássico Turtles in Time do Super Nintendo.

Em seguida, na segunda fase, a progressão lateral estilo beat’em up dava lugar à missão de descer continuamente por um enorme poço, com scrolling vertical. A fase introduzia a possibilidade de usar bicos de aves inimigas como pequenas “espadas”, e também um novo golpe por meio do qual os heróis podiam se dobrar (ficando parecidos com sinos de igreja) e varrer a tela violentamente por meio de uma forte porrada carregada.

Não era um passeio no parque, é claro. A coisa até ali tinha alguma dose saudável de desafio. Mas muito da fama (e da infâmia) em torno do nome Battletoads decorre da fase que vem em seguida: a terceira fase, a infame “fase da motinho”. Aqui, o jogo inicialmente retorna à progressão lateral beat’em up da primeira fase, mas apenas até o ponto em que o jogador encontra uma pequena motocicleta voadora. Subitamente, o jogo se transforma em um acelerado desafio de saltos e desvio de obstáculos … e é aqui que muita gente parou e jamais chegou a ver qualquer fase posterior do game. Vale dizer: entre estes, estávamos inclusos eu e o meu amigo, que passamos o fim de semana inteiro morrendo reiteradamente, de novo e de novo e de novo, na maldita “fase da motinho”, sem termos conseguido ultrapassá-la em nenhum momento. Não é por nada que a referida fase é universalmente lembrada como uma das mais difíceis – e frustrantes! – da história dos videogames.

Este é um bom momento para deixarmos uma coisa muito bem esclarecida: Battletoads não é e nunca foi um jogo “perfeito”. Primeiro: a jogabilidade era bem mais limitada do aquilo que se vê em outros clássicos beat’em ups do NES, como Teenage Mutant Ninja Turtles II – The Arcade Game. Golpes aéreos eram essencialmente inexistentes. Neste sentido, na comparação com os ótimos beat’em ups que a Konami apresentou no NES naquela época (TMNT II, TMNT III e Batman Returns), Battletoads parecia quase um retrocesso e lembrava mais aquela jogabilidade “durona” do antigo clássico Double Dragon.

Segundo: Battletoads tinha um modo 2-players para que dois jogadores pudessem encarar a aventura juntos de forma cooperativa. Mas, normalmente, o que se espera de um modo para dois jogadores é que essa opção torne a missão mais fácil ou, no mínimo, igualmente desafiadora em relação à opção de jogar sozinho. Curiosamente, no entanto, em Battletoads o jogo se tornava dramaticamente mais difícil se jogado no modo 2 players. Isso porque os jogadores, no meio das trocas de socos e chutes, podiam acabar acertando o aliado sem querer – e era praticamente impossível evitar que isso acontecesse em alguns momentos da ação frenética exibida na tela. Para piorar, quando um jogador perdia todas as suas vidas, ele não podia utilizar um “continue” e simplesmente reaparecer na fase para ajudar o colega. Não: o jogador sobrevivente se via sozinho na tela, desamparado e desassistido, e o jogador que havia morrido precisava esperar o parceiro igualmente perder todas as vidas para que só então ambos pudessem continuar o jogo juntos – todavia, sendo obrigados a voltar ao início da fase na qual morreram!

Tudo isso, aliado a vários momentos de intensa dificuldade, tornava Battletoads não apenas um jogo “difícil” ou “desafiante”, mas seguramente um dos games mais frustrantes da biblioteca de títulos do NES – que, aliás, já era um console conhecido por contar com vários dos games mais difíceis que a humanidade havia visto até então.

Algum tempo depois da minha experiência com o Battletoads do NES, ali por 1994, vim a conhecer a adaptação do jogo para o Game Boy, clássico console portátil da Nintendo. Lançado com o nome de Battletoads in Ragnarok’s World, devo dizer que semprei achei que se trata de uma excelente conversão do game do NES e bastante fiel ao original.

A experiência foi muito bem convertida para a telinha monocromática do portátil e tenho lembranças do jogo ser bem divertido – embora não necessariamente mais fácil. Entre 1992 e 1993, Battletoads também ganhou conversões para vários outros consoles, como Mega Drive, Game Gear e Amiga. No entanto, devo dizer que nunca dediquei muita atenção a nenhuma destas outras versões.

Embora hoje seja possível jogar Battletoads por meio de qualquer bom emulador de NES, é digno de nota o fato de que, em 2015, o game (em sua versão original do NES) foi oficialmente relançado para o Xbox One como parte integrante da coletânea Rare Replay. Tenho e recomendo. É uma ótima forma de revisitar este clássico do masoquismo videogâmico apelador do começo dos anos 1990!

Embora seja hoje lembrado e comentado sobretudo por conta de sua dificuldade lendária e por sua capacidade de levar os jogadores a níveis alarmantes de frustração e irritabilidade, é claro que nada disso impediu os jogadores da minha época de se tornarem fãs de Battletoads. É preciso entender que, naqueles tempos, uma dificuldade de ranger os dentes era relativamente comum nos videogames e nós sabíamos conviver perfeitamente bem com o fato de que existiam alguns jogos que nós simplesmente jamais seríamos capazes de “virar” – a menos que se adotasse algum tipo de cheat ou recurso do tipo “Game Genie” (aliás, não é por nada que este acessório fez tanto sucesso naquela época).

A gente apanhava, mas gostava mesmo assim. E, com o tempo, iríamos descobrir que a surra que levávamos de games como Battletoads não era apenas uma coisa particular nossa, mas sim uma experiência coletiva que marcou toda uma geração de jogadores. Não ficaram traumas: apenas nostalgia e boas memórias de momentos de diversão e nonsense adolescente, carregados de muito desafio.